sexta-feira, abril 18, 2008

As sondagens e o PSD

É impressionante o papel que as sondagens desempenham na vida do PSD. É certo que é difícil dizer até que ponto a derrota de Mendes ou a demissão de Menezes se devem aos maus resultados que um e outro tinham nas sondagens que antecederam imediatamente os dois eventos: afinal, quer os resultados dessas sondagens quer a derrota/demissão são ambos consequência de coisas mais profundas e menos visíveis. Mas é impossível não acreditar nalgum papel independente dos resultados das sondagens no processo: não só elas são constantemente mencionadas pelos agentes como arma de arremesso (até António Borges falava ontem das ditas) mas os acontecimentos sucedem-se em aparente ligação directa à divulgação dos resultados. O PSD é também o partido, de longe, que mais se agita publicamente com as sondagens, como este exemplo ilustra bem, para já não falar das obsessões permanentes com a comunicação social e a sua "independência". Para Durão Barroso, poucas coisas foram tão nefastas à sua consolidação como líder do partido como as sondagens que davam a vitória ao PS de Guterres, mesmo depois de 1999.

O que talvez diga alguma coisa sobre a natureza do partido. O PSD tem muitas semelhanças com o PS, e não as quero desvalorizar. Mas enquanto o PS tem apesar de tudo, facções internas divididas por conflitos em cuja base ainda se vislumbram fundamentos ideológicos, o PSD transformou-se em nada mais do que uma máquina para (tentar) ganhar eleições e converter votos em lugares políticos. Tudo, absolutamente tudo, depende da capacidade da liderança do momento para fazer esta máquina funcionar. É fascinante, e também algo deprimente. E note-se: dá à comunicação social - para já não falar dos institutos de sondagens - um poder sobre a vida do partido que, enfim, é capaz de ir um bocado para além do saudável.
Enviar um comentário