quinta-feira, dezembro 22, 2011

Funniest bit so far in Kahneman's "Thinking, Fast and Slow"


"One day in the early 1970s, Amos handed me a mimeographed essay by a Swiss economist named Bruno Frey, which discussed the psychological assumptions of economic theory. I vividly remember the color of the cover: dark red. Bruno Frey barely recalls writing the piece, but I can still recite its first sentence: 'The agent of economic theory is rational, selfish, and his tastes do not change.'

I was astonished."

segunda-feira, dezembro 19, 2011

Havel, Soares, and a Renault 21

Prague

"A short while later I’m standing at the entrance to the Street of the Alchemists — the street where Kafka used to write, in the heart of the Hradcany. I’m watching a bizarre little scene as Vaclav Havel’s chauffeur drives the Presidential limousine slowly across the same, small square I walked across when I was here three years ago. The chauffeur is using the big, black official car — a Russian Zil — to brush back a crowd of reverent tourists who are trying to touch Havel’s little Renault, a personal gift from President Mario Soares of Portugal. The chauffeur drives the Zil slowly but firmly into the knot of visitors until they disperse, then he backs the limo across the square to its parking place and sits there waiting until he has to do it all over again. The Presidential chauffeur has little else to do, for Havel doesn’t travel in the Zil at all. He loves his little Renault and drives it himself. Someone has stuck a big red heart on its windshield, love-notes are scrawled in lipstick across the rear window, and affectionate messages are pasted down the Renault’s sides."

Here. The car is displayed at the National Technical Museum in Prague. The picture was taken from tauma's photostream in Flickr.

Combate de Blogs

O Combate de Blogs nomeou o Margens de Erro para a categoria "melhor blog individual" de 2011. Obrigado!

sexta-feira, dezembro 16, 2011

Hitch on Portugal 1974, from "Hitch-22: A Memoir" (2010)

"The cultural element made it seem as if the best of 1968 was still relevant. One of the precipitating prerevolutionary moments had been the publication of a feminist manifesto by three women, all of whom were named Maria, and 'The Three Marias' became an exciting example of what womanhood could do when faced with a theocratic oligarchy that had treated them as breeding machines not far advanced above the level of chattel. Sex, long repressed, was to be scented very strongly on the wind: I remember in particular the only partly satirical Movimento da Esquerda Libidinosa or “Movement of the Libidinous Left,” with its slogan “Somos um partido sexocrático,” whose evident objective was the frantic making-up of lost time. The best revolutionary poster I saw — perhaps the best I have ever seen — expressed this same thought in a rather less erotic way: it showed a modest Portuguese family in traditional dress, being introduced to a receiving line of new friends who included Socrates, Einstein, Beethoven, Spinoza, Shakespeare, Charlie Chaplin, Louis Armstrong, Karl Marx, and Sigmund Freud. (There are many people in much richer countries who are still putting off this rendezvous.)"














"The leader of the Socialist Party, Mario Soares, a man whom I would normally have regarded as a pallid and compromising Social Democrat, summarized the situation with some pith. I still have the question he put to me double-underlined in my notebook from Lisbon. 'If the army officers are so much on the side of the people, why do they not put on civilian clothes?' It was a question not just for that moment.

I began to be extremely downcast by the failure, or was it refusal, of my International Socialist comrades to see what was staring them right in the face. Intoxicated by the admittedly very moving attempts at personal liberation and social 'self-management,' they could not or would not appreciate how much of this was being manipulated by a dreary conformist sect with an ultimate loyalty to Russia. Thus I found myself one evening in late March 1975 at a huge rally in the Campo Pequeno bullring in Lisbon, organized by the distinctly cautious Socialist Party but with the invigorating slogan: 'Socialismo Si! Dictatura Nao! ' The whole arena was a mass of red flags, and the other chants echoed the original one. There were calls for the right of chemical workers to vote, a banner that read 'Down With Social Fascism' and another that expressed my own views almost perfectly in respect of foreign intervention in Portugal: 'Nem Kissinger, Nem Brezhnev!'

I took my old friend Colin MacCabe along to this event. For his numberless sins he was at the time a member of the Communist Party, and at first employed an old Maoist catchphrase — 'waving the red flag to oppose the red flag”— to dismiss what he was seeing. But gradually he became more impressed and as the evening began to crystallize he unbent so far as to say: 'Sometimes the wrong people can have the right line.' I thought then that he had said more than he intended, and myself experienced the remark as a sort of emancipation from the worry, which did still occasionally nag at me, that by taking up some out-of-line position I would find myself  'in bed with,' as the saying went, unsavory elements. It’s good to throw off this sort of moral blackmail and mind-forged manacle as early in life as one can.

The sequel takes very little time to tell: the Communists and their ultra-Left allies hopelessly overplayed their hand by trying for a barracks-based coup, the more traditional and rural and religious elements of Portuguese society rose in an indignant counter-revolution, a sort of equilibrium was restored and — e finita la commedia. The young radicals who had come from all over Europe to a feast of sex and sunshine and anti-politics folded their tents and doffed their motley and went home. It was the last fall of the curtain on the last act of the 1968 style, with its 'take your desires for reality' wall posters and its concept of work as play.

For me, it was also the end of the line with my old groupuscule. I had developed other disagreements, too, as the old and open-minded 'International Socialists' began to mutate into a more party-line sect. But Portugal had broken the mainspring for me, because it had caused me to understand that I thought democracy and pluralism were good things in themselves, and ends in themselves at that, rather than means to another end."

 All the rest on Portugal is a good read, numerous Portuguese spelling mistakes and all.

quarta-feira, novembro 30, 2011

Guillermo O'Donnell (1936-2011)




















In 1998, I invited Guillermo O'Donnell and Richard Gunther for a conference at the Catholic University in Lisbon, in the context of their (slightly stingy) debate about "democratic consolidation". I was but a mere graduate student at the time, Richard was my adviser, but I had never met or contacted Guillermo before. Many people had warned me he was a bit of a grumpy character and tended to make intolerable demands concerning travelling. But to their (and my) surprise, he accepted immediately. The conference was very nice and Guillermo was nothing but delightful and kind, not to mention prodigiously brilliant. I met him (and his wonderful wife Gabriela) several times after that, including in an epic Club de Madrid meeting where I worked as his assistant. He was an academic giant, a true progressive democrat, a brave man, and a wonderful person.

Marktest, 15-19 Nov., N=804, Tel.

Voting intention:

PSD: 45.4% (+3.8)
PS: 19.7% (=)
CDU: 7.9% (-2.6)
CDS-PP: 5.0% (-0.3)
BE: 4.1% (-0.1)
Others+Blank: 17.9% (-0.8)

PM approval: 45.5% (up more than 9 pts from October). All results here.

segunda-feira, novembro 21, 2011

Spain: results, polls, and forecast

PP obtained 44.6% of the vote and 186 (53%) MP's, up 4.7 points in votes and 9 points in MP's in relation to 2008. The results basically match (slightly surpassing) those of 2000, when PP had obtained its first absolute majority, but are nonetheless the best results ever for the party. Still, expectations were for an even (slightly) better result. A simple and rough (not taking sample sizes into account) average of the very last polls (those whose fieldwork took place after November 7th) gave PP a 45.9% average. Fernández-i-Marín's more sophisticated approach generated the same average, with an interval between 45% and 46.8%.

PSOE obtained 28.7% of the vote and 110 (31.4% of) MP's, down more than 15 percentage points in votes and 17 points in MP's. It's the party's worst result ever. Although the debacle was predicted, somewhat better was expected. A simple average of the very last polls was 30.6%, Fernández-i-Marín estimated 31.1%, and our forecast based on May 2011 data estimated 34.5%. Of the 86 polls published since January 2011, only 4 estimated PSOE at 28.7% or less, and only one of them is recent (a study by the Ortega y Gasset Foundation).

IU obtained 6.9% of the vote and 3.1% of MP's, a definitive improvement over 2008 and the party's best result since 1996. Extremely close to what the polls suggested. CiU got 4.2% of the vote and 4.6% of MP's (better than expected on the basis of polls) and UPyD got 4.7% of the vote and 5 MP's (also better than what the last polls suggested). Overall, then, PP did slightly worse, PSOE rather worse, and smaller parties better than expected.

In 2008, PP and PSOE captured 83% of the vote and and more then 90% of MP's. Yesterday, they got 73% of the vote and 85% of MP's. Turnout decreased, from 74% to 72%.

sexta-feira, novembro 18, 2011

Eurosondagem, 10-15 Nov., N=1025, Tel.

PSD: 36.3% (-0.6)
PS: 29.6% (+0.4)
CDS-PP: 12.1% (-0.4)
CDU: 9.0% (+0.2)
BE: 6.1% (-0.2)

Here. Changes in evaluations of party leaders and institutions are equally small. Interestingly, leaders are mostly evaluated positively, while institutions are evaluated negatively (in the piece, there's a typo in the parliament's net evaluation result).


segunda-feira, novembro 14, 2011

Spain: the last polls

The Spanish election is less than a week away. In the last few days, several polls coming out from several different sources. Here's the updated graph, for the three major parties, since Rubalcaba became PSOE's candidate (smoother 25% bandwidth):




















The smoother seems to capture a slight decline for PP and a rise for IU, but that could be a function of the particular mix of companies that have done polls recently and the kind of "house effects" attached to their polls. A better way to ascertain this is to regress scores on dummies for companies (leaving CIS as the reference category) and dummies for time periods (months, in this case, considering the small number of polls). The results suggest that:

1. After their peak in April, PSOE lost about 3 points until today and has remained mostly stable since September.
2. Estimates clean of house effects for PP show a very small decline from October to November (.6%) but that only leaves them at the point they already were in September. Effect of the debate? An hypothesis, but impossible to say just on the basis of these data, really.
3. IU is the only party experiencing significant changes recently, up more than 1 p.p. since September.

Starting tomorrow, publication of polls in the media is not allowed in Spain.

P.S.- For estimates resulting from a Bayesian state-space model for pooling poll data first developed by Simon Jackman, see here.

terça-feira, novembro 08, 2011

Polls on the Spanish debate

12 million people watched the debate, for a 54% share, down 5 points and 1 million from the last Zapatero/Rajoy debate (which was, however, the most watched debate in Spanish democratic history). Many polls, apparently, as reported here. But pay attention, that some of these "polls" seem to be online voluntary votes. The ones below are those I could establish actually used randomly selected samples. So who won?

1. El Pais/Metroscopia, N=501, Phone. Rajoy: 46%; Rubalcaba: 41%.
2. Antena 3 and Onda Cero/TNS, N=?, Phone. Rajoy: 43.9%; Rubalcaba: 33.1%.
3. El Mundo/Sigma Dos, N=?, Phone. Rajoy: 51.4%; Rubalcaba: 44.2%.
4. La Sexta/Invymark, N=1100, Phone. Rajoy: 48.6%; Rubalcaba: 39.9%.

Little doubts here, although one might argue that Rubalcaba did less badly than one would expect from current voting intentions. Don't forget, however, that these are self-selected samples too in a way, in this case, of those voters who watched the debate in whole or in part. And these "flash" polls take place very quickly after the debate, which makes fieldwork difficult and is certainly associated with low contact and response rates, with what that implies for sample quality. And that the effects of debates are thought to be relatively small. Etc.

BTW, Publico.es has a nice Twittometer.

sexta-feira, novembro 04, 2011

Spanish polls update

New polls:

1. By Sigma Dos, with fieldwork ending October 31st, showing almost no change in relation to previous poll finished 3 days before.

2. The new CIS study is out. The last one, from July, had PP at 43% and PSOE at 36%. Now, in congruence with what other polls have shown since then, that lead has expanded: 47% to PP and 30% to PSOE,

quarta-feira, novembro 02, 2011

What poll results to publish?

SIC Notícias made this piece about the last Eurosondagem poll. Expresso published this piece summarizing the results concerning mass opinion about the budget measures. Maybe more about this poll has been published and I just missed it. What I did not miss, however, are the actual marginals published here. And there are results I haven't seen published anywhere (rounded):

P.20 Acha que o governo cortou o suficiente na despesa?
Sim: 38%
Não: 43%
NS/NR: 20%

P21. Tendo em conta o Orçamento de Estado, vai mudar hábitos de vida no próximo ano?
Sim: 69%
Não: 27%
Ns/NR: 4%

P.27 Se estivesse em idade ou tivesse possibilidades considerava emigrar?
Sim: 61%
Não: 32%
NS/NR:7%

I really don't like P.27, as it deals with too many hypotheticals. P21 was followed by a question for those who answered "Yes", and "Eating Out" was the most selected option for cuts in personal expenditures, and this is vaguely interesting too (although not "political" enough, I assume). But it is P20, and its deemphasis in the news coverage, that I find particularly interesting. Sometimes, journalists are puzzled by apparent contradictions in polls: "If a huge majority of people disagree with the cuts, as responses to other questions in the poll show, how can then a plurality believe the government has not made enough cuts?", I imagine them thinking. But the results are not necessarily contradictory:

1. People may disagree with the concrete cuts and prefer other ways of reducing expenditure. This is especially inviting in this poll because those "other cuts" that might make them "enough" remain unspecified. 
2. "Expenditure" may generically sound bad, in the sense of wasteful. People may react to the question by thinking that it is a positive thing to cut "waste", that more should be done in cutting it, and that the government has not done enough of it. This does not mean they should support the concrete government plans at all.
3. Talking about "enough", without specifying "enough for what", further increases vagueness and allows for these apparent contradictions. Does "enough" mean that there will not be more? Does it mean that it will be "enough to satisfy our creditors"? Does it mean "enough to prevent Portugal from entering the Greek death spiral"? Etc.

In sum, it is a very good thing that ERC allows us access to the poll data unfiltered by whatever journalists think is newsworthy in those data.

P.S.- A few days later, these results were published.

More on the referendum

Apparently, the Daily Telegraph reports that a 3/5 majority is needed to pass a resolution permitting a referendum. If so, this would probably make it impossible. But although this may be totally clear to a constitutional lawyer, it is not clear to me at all. Article 44(2) of the Greek constitution provides for two sorts of referendums: on "crucial national issues" and on "serious social issues". In the former, government proposals must be passed by an absolute majority in Parliament. In the latter, 2/5 of parliament proposes and a 3/5 majority is needed. But although we could spend a lot of time thinking about the fascinating distinction between "crucial national issues" and "serious social issues", I don't think we need to. The main distinction seems to be between who proposes the referendum. If government, absolute majority. If parliament, qualified majority. Therefore, if we are talking about the former, as I think we are, the referendum is not as impossible as a 3/5 majority would suggest. Unlikely, but not impossible.

It should also be mentioned that when the possibility of such a referendum was first announced - last June, no less - the government also announced that it would introduce changes to several procedural aspects of referendums, which nonetheless must abide by article 44(2) of the Constitution.




terça-feira, novembro 01, 2011

Referendum in Greece

Ah, politics: always so inconvenient. Faced with intraparty dissent and horrible pollsPapandreou announced he is going to call a referendum on the debt deal. In the meantime, another PASOK MP resigned, the party's majority in parliament is now down to two MP's, and six members of PASOK's national council called for Papandreou's resignation. And a recent poll shows 60% of Greeks to be against the deal.

According to the database at the Center for Research on Direct Demcracy, Greece has not held a referendum in 37 years. The last time was in 1974, after the collapse of the military Junta, to decide whether Greece would remain a Republic. Indeed it did, 69% to 31%. Turnout was 76%.

Apparently, judging from this Venice Commission document, this is the procedure:

1. Government proposes referendum.
2. A majority of MP's must support a resolution.
3. The President calls the referendum.

And Friday there's a confidence vote in parliament. So we're not quite there yet...




Next!



segunda-feira, outubro 31, 2011

Spanish polls update

Several new polls in the last few days, as reported in Electometro. The overall picture since January 2011:



















And a closer look at the smaller parties:



















Looking at the more recent polls, especially by those pollsters who publish results more often, vote intentions for PP and PSOE seem very, very stable. The table below compares the results of the last to the next to last polls published by NC Report, Sigma Dos, and Metroscopia. Almost a little bit too stable, if we're talking about (as we think we are) independent samples.


sábado, outubro 29, 2011

Science: What It's Up To?

The Daily Show With Jon StewartMon - Thurs 11p / 10c
Weathering Fights - Science: What's It Up To?
www.thedailyshow.com
Daily Show Full EpisodesPolitical Humor & Satire BlogThe Daily Show on Facebook

Marktest, 18-22 Oct, n=809, Tel.

Here. The government's PSD drops 5 points in voting intentions, but remains comfortably ahead of PS. The Prime Minister's approval falls 9 points. Having said that, the poll estimates 19% for blank votes and for other parties besides PSD, PS, CDS, CDU and BE, which is something so detached from any plausible scenario that one has to wonder what the whole results mean.

sexta-feira, outubro 28, 2011

Eurosondagem, 20-25 Oct, n=1032, Tel.

Unsurprisingly, following the 2012 budget plans, not very good news for the Portuguese government in the most recent poll. Government approval drops 7 points in relation to the previous poll by the same company, and there's now more people disapproving than approving. Drop in voting intentions for the PSD is less impressive: a 2.4 drop, bringing it to 36.9%, and a 3.4 drop in the lead over PS. Tomorrow, I believe, we'll know results on questions about the budget and its measures. What do you expect?

P.S- Here it goes: 81% oppose budget proposal, 80% against bonus cuts, 58% distrust the government, 63% support the strike and don't think the budget targets will be achieved. Disappointing that, as usual, most Portuguese pollsters offer no breakdown of results by party ID, or vote intention, or, in this case, whether respondents are civil service workers or pensioners.

quinta-feira, outubro 27, 2011

Polls in Portugal

Surprisingly few, as Pedro Lains suggests. The last I know of is from October 6th. Until then, as suggested here and can be seen here, good news for the government. But of course, what happened since may matter a lot. I like it when people complain there's not enough polling: I think they're absolutely right, but probably most of you disagree. By the way, we should have a poll on that too.

domingo, outubro 23, 2011

More Spanish polls

Two recent polls in Spain, one by Metroscopia and another by Sigma Dos. The Metroscopia poll has PP's lead over PSOE standing firm at around 15 points, while the Sigma Dos poll places that lead at 17, also like in their previous poll.

segunda-feira, outubro 17, 2011

A look at the Spanish polls

There's a wonderful resource about the Spanish general elections that will take place about a month from now (November 20th, to be more precise): Electometro.com, a collection of web-based news on all voting intention media polls. Before looking at the data, a few aspects of these polls and how they are reported merit mention:

1. Fifteen different companies (including CIS, the state's Centro de Investigaciones Sociológicas) have published polls results since January 2011, according to Electometro. Most of them, however, seem to do it on an irregular basis.

2. Maybe it's because Electometro gets its news from online sources (rather than print media), but it's surprising to see how lax the standards seem to be in terms of reporting basic methodological aspects of polls. Many results are presented without mention of sample size, mode, or even the estimated voting intention for parties other than the incumbent Socialists (PSOE) or Partido Popular (PP).

3. In most cases, percentages are presented with decimal points. Oh well...

4. Average sample size is surprisingly high with 2,175, but that's mainly due to a single poll published in April with a staggering sample size of 45,635! I don't enough about the vagaries of Spanish politics, media, and polling to understand what may have led a media company to sponsor something like this. Without this poll, average sample size drops to 1,323.

Spanish polls don't have a particularly stellar reputation in what concerns accuracy - if by accuracy we mean presenting voting intentions that end up being close to the final outcome. In 1996, polls suggested a PP lead over PSOE of about 10 points, while the actual margin of victory ended up being a single percentage point. In 2000, polls suggested a PP lead of 5 points over PSOE, but it ended up being 10 on election day. Things may be getting better, however. If we discount 2004, where the March 11 terrorist attack obviously disturbed the relation between intentions measured before the attack and the election outcome, most media polls in 2008 were close to the 44% score and 4 point lead that PSOE enjoyed over PP.

So what do things look like today? The following graph shows the results of the 64 polls published since January 2011 (as reported in Electometro), with voting intention for the five largest parties and a kernel smoothing line (25% points to fit):

The two vertical lines represent the dates when PM Zapatero announced he would not be PSOE's candidate (April 2nd) and when Minister of Interior Alfredo Pérez Rubalcaba became the de facto Socialist candidate (June 13th). Mere visual inspection seems to suggest a positive (for PSOE) reaction to Zapatero's withdrawal from the race but no clear effects of Rubalcaba's selection. Izquierda Unida seems posed for a much better result than in 2008 (where it got 3.8%) and the same is true for Unión Progreso y Democracia.


Another way of looking at this is to focus on PP's lead over PSOE since the beginning of 2011, which seems to be on the rise since May and is, as of today, higher than 15 percentage points in almost all of the recent polls:




















I also regressed each party's score on dummy variables for each polling company (taking CIS as the reference category) and for each month, excluding the constant from the equation and thus taking the estimates for each monthly dummy as monthly results cleaned of "house effects". In what concerns PP, the recent October results are close to the best the party has had since the beginning of 2011. For PSOE, the highest point was in April, after Zapatero's withdrawal, which seems to have given PSOE a 4-point bump. But voting intentions for the Socialists have declined ever since and there's indeed no evidence that Rubalcaba changed anything there. The results also show interesting house effects: in comparison in CIS, pollsters like Sigma Dos, NC Report, and DYM seem to generate results that are particularly flattering for PP, while the opposite occurs with Metroscopia and Obradoiro de Sociologia. As for PSOE, the most unflattering results have come from NC Report, GAD, TNS, and Metroscopia again.

Out today: a report by GAD interestingly entitled "¿Nos podemos fiar de las encuestas electorales?", recalling past problems with Spanish polls and a tendency to underestimate incumbent vote share.

domingo, outubro 09, 2011

Rescaldo

Resultados finais:
PSD: 48,6%
CDS-PP: 17,6%
PS: 11,5%
PTP: 6,9%
CDU: 3,8%
PND: 3,3%
PAN: 2,1%
MPT: 1,9%
BE: 1,7%

Espero que já não me fique mal dizer isto, mas a Católica arrasa a concorrência de tal maneira que nem vale a pena fazer quadros comparativos.

quinta-feira, outubro 06, 2011

E mais Madeira

Últimas sondagens Madeira:

Eurosondagem, 2-4 Out., N=763, Tel.
PSD: 50,5%
PS: 17%
CDS: 10,5%
CDU: 5,5%
BE: 3,5%
MPT: 3,3%
PTP: 2,7%
PAN: 2,5%
PND: 2%

CESOP, 1-2 Out, N=1712, Presencial.
PSD: 48%
CDS: 16%
PS: 14%
CDU: 5%
PTP: 5%
PND: 4%
BE: 2%
PAN: 2%
MPT: 2%

Entretanto, segundo este artigo, alguns dos 45 mil "eleitores-fantasma" poderão votar, o que mostra que Madeira continua a ter coisas novas para mostrar ao mundo.

terça-feira, outubro 04, 2011

Mais Madeira

Intercampus, 30 Set- 3 Out, N=609, Tel.

PSD: 53,5%
PS: 16,9%
CDS-PP:11,8%
CDU: 3,9%
PND: 2,8%
BE: 2,5%
Outros: 8,5% (ou 8,8%, não se percebe bem)

Aqui.

Madeira

Que sondagens existem? Depositada na ERC e colocada nos seus arquivos públicos, que eu saiba, a mais recente é esta, de Julho (Julho!) passado:

PSD: 57%
PS: 16%
CDS-PP: 10%
CDU: 4%
BE: 3%
PAN, MPT, PTP e PND com 2% cada.

A anterior tinha sido esta, de Junho. Eu percebo: o assunto não está na ordem do dia.

Depois, claro, também há coisas como esta: Sondagem na posse do PSD que aponta para a renovação da maioria absoluta". Hum...

Parece que 5ª feira é que é. Mais uns dias e já não era preciso.

quarta-feira, setembro 28, 2011

100 dias











O PSD teve 38,7% nas eleições. Olhando para os arquivos do blogue, o que diziam as sondagens feitas 100 dias após as eleições?

- 2005: descida do PS em relação aos 45% das eleições no caso da Eurosondagem (40,5%) e uma subida no caso da Marktest (46%).
- 2009: o PS andava com cerca de 38% quer na Marktest quer na Eurosondagem, ou seja, 2 pontos acima dos resultados das eleições, e com 33% na Aximage.
- 2011: PSD 1 ponto acima em relação às eleições na Eurosondagem, 2 na Aximage, 4 na Católica e 8 na Marktest.

terça-feira, setembro 20, 2011

Homens

1. Sad Men, de Richard Cohen, sobre Mad Men, detergentes e o declínio da classe-média americana.
2. Confidence Men, o livro de Ron Suskind sobre a presidência Obama, revela uma "macho White House".
3. Homo economicus: um digno sucessor para The Worldly Philosophers? Duvido respeitosamente.

segunda-feira, setembro 19, 2011

IMPACT

Aqui em DC, onde existem algumas das piores escolas públicas nos Estados Unidos, foi criada uma coisa chamada IMPACT, um sistema de avaliação dos professores cujo critério fundamental é baseado em melhorias verificadas de um ano para o outro nos resultados dos testes anuais aos alunos realizados em Abril. Há também cinco observações anuais de aulas, três pela administração da escola e duas por observadores externos formados para o efeito. Professores com a classificação máxima recebem um bónus anual que pode ir até $25,000. Professores com repetidas classificações máximas recebem aumentos de salário que podem ir até $20,000 anuais.

O que o sitezinho não explica bem é que os professores que optarem por receber o bónus  - 70% dos 670 classificados este ano como highly effective - abdicam também de benefícios em caso de despedimento. Mas como se explica aqui, estes professores são precisamente os que têm menos probabilidade de serem despedidos, o que ajuda a explicar o facto de o número dos que optam por receber o bónus ter aumentado significativamente. Mais giro ainda é de onde vem o dinheiro para os bónus e aumentos: de uma coisa chamada DC Public Education Fund, apoiado por donativos...privados.

Há uma discussão muito interessante sobre se os modelos que visam estimar o aumento do desempenho dos alunos o fazem de forma correcta, se, apesar de tomarem em conta a mudança relativa (e não o desempenho absoluto) dos alunos, não continuam a prejudicar professores que ensinam nas áreas mais problemáticas, ou se o sistema gera os incentivos correctos. Mas o Washington Post parece achar que a coisa é genericamente boa.

terça-feira, agosto 16, 2011

Horácio, Virgílio e Arnaldo.


















A partir de amanhã estou por aqui. Quanto a aulas, começo levemente. Na investigação, três projectos: desenvolver mais algumas ideias com o LA-C sobre referendos; mais aplicações de wavelets à política, também com o LA-C (e com a Joana); e explorar estes dados, já que vou estar tão perto deles. E se tudo correr bem, um seminário em Abril sobre Elections Under Financial Crisis ou algo assim, usando dados de estudos pós-eleitorais já terminados (Islândia 2009, Irlanda e Portugal 2011) e outro onde espero poder convencer os coordenadores a fazerem as mesmas perguntas (Espanha 2011). Entretanto, há a campanha para as presidenciais americanas. Regresso daqui a um ano. Tempus fugit, carpe diem e hasta la vista, babies.

sexta-feira, julho 01, 2011

Eurosondagem, 26-28 Junho, N=1010, Tel.

PSD: 40,8%
PS: 25%
CDS-PP: 13,6%
CDU: 7,7%
BE: 4,8%
OBN: 8,1%

Cavaco Silva, Passos Coelho e Paulo Portas são únicos líderes políticos com saldo de popularidade positivo. Aqui.

Mais resultados sugerem:

1. Avaliação mais positiva que negativa da composição do governo.
2. Satisfação com a inclusão de alguns ministros mais jovens e com a reduzida dimensão do governo.

terça-feira, junho 28, 2011

Ensino Superior e Ciência, agora no Programa do Governo

O programa do XIX Governo foi conhecido hoje. Na continuação de um post anterior, assinalo as passagens que me pareceram mais relevantes no que ao ensino superior e à ciência diz respeito:

- "Introduzir incentivos salariais para investigadores em função da capacidade de mobilizar recursos, desenvolver investigação de alta qualidade, licenciamento de patentes e impacto numa lógica de cooperação empresarial".

- "Assegurar que os contratos de confiança com as universidades incluem metas para a criação de spin-offs, registo e licenciamento de patentes".

- "Estudo de possíveis medidas conducentes à reorganização da rede pública de instituições de Ensino Superior, com eventual especialização das instituições em termos de oferta de cursos e de investigação".

- "Discussão do modelo de financiamento do ensino superior, com vista, por um lado, a uma maior estabilidade e previsibilidade e, por outro, à consideração de factores de qualidade da actividade e de incentivos ao seu melhoramento".

- "aumento do ratio em I&D sobre o PIB e na diversificação das fontes de financiamento".

- "Privilegiar os apoios públicos às actividades de I&D de excelência".

- "Lançar um programa competitivo de apoio a Programas de Doutoramento que demonstrem a melhor qualidade, estrutura e garantia de rentabilidade".

- "Reforçar o investimento em áreas críticas para o desenvolvimento social e económico de Portugal, nomeadamente nas ciências da vida e da saúde, com enormes repercussões financeiras na saúde pública, na agricultura, no ambiente e na biodiversidade".

- "Agilizar disposições legislativas que facilitem a integração de investigadores do sector público no sector privado e que valorizem curricularmente as actividades de transferência de tecnologia".

- "Incentivar a integração do sistema científico nacional no espaço europeu de investigação, a saber, aumentando a participação de empresas e centros de investigação nos programas quadro e incentivando grandes linhas de investigação industrial mediante a colaboração público-privada".

- "Abrir anualmente, em data regular, concursos para projectos de investigação em todas as áreas científicas".

Há mais, mas isto pareceu-me o mais concreto. Posso estar a ver mal, porque só li isto uma vez e rapidamente. Mas em comparação com o programa do PSD, este programa de governo parece-me mais cauteloso no que diz respeito à reorganização da rede de ensino superior (antes falava-se abertamente da identificação de cursos "sem viabilidade", agora fala-se de "estudo de possíveis medidas conducentes à reorganização"), à anteriormente prevista "segmentação das instituições em termos de ensino e investigação, à limitação de financiamento para a investigação apenas a algumas instituições (fala-se agora de "discussão do modelo de financiamento"), à regra de não renovação de pós-doutoramentos e ao fim das bolsas individuais para doutoramento. Não quer dizer que essas medidas não estejam previstas ou não sejam realizadas, mas não aparecem aqui da mesma forma, ou, se quiserem, no mesmo tom. A ideia geral de uma ligação às empresas  e de diversificação de fontes de financiamento permanece, mas também menos enfática. E há na página 118 um surpreendente - mas, para quem está nesta área, compreensível e justo  - elogio a aspectos da actuação de anteriores governos neste domínio da ciência.

segunda-feira, junho 27, 2011

Continua a não haver sondagens sobre:

1. O que os portugueses acham de cada um das principais medidas do memorando.
2. O que acham da composição do novo governo.
3. O que acham das possíveis lideranças do maior partido da oposição.
Etc.
Etc.
Etc.

Gastaram o dinheiro todo nas tracking.

A composição dos governos

Um texto a reler por estes dias é  "Portugal: the Primacy of Independents", de António Costa Pinto e Pedro Tavares de Almeida, num livro chamado The Selection of Ministers in Europe: Hiring and Firing, organizado por Keith Dowding.

Costa Pinto e Tavares de Almeida mostram, entre outras coisas, que o governo mais pequeno até 2005 (contando com secretários de estado) teve 46 postos (Cavaco Silva 1985 e Nobre da Costa). E o principal tema do capítulo é a grande proporção (comparativamente muito elevada) de "independentes" sem experiência político-partidária ou parlamentar nos governos portugueses, independentemente de composição partidária e tipo (maioritário, minoritário, coligação).

quarta-feira, junho 22, 2011

Programa do PSD: Ensino Superior e Ciência

Sabe-se que são muito poucas as pessoas que lêem os programas eleitorais dos partidos. É normal. Eu, que faço disto profissão, li-os na diagonal e mal. Mas houve uma parte que li com atenção, particularmente no Programa do PSD. Numa escolha puramente pessoal, possivelmente mais enviesada para o que está ligado à Ciência, deixo aqui uma lista de medidas e intenções na área do Ensino Superior e Ciência. Vou tentar deixar de fora objectivos muito genéricos e concentrar-me em coisas que me parece serem susceptíveis de serem traduzidas em medidas concretas a curto ou médio prazo. Podíamos tentar iniciar aqui um debate. O que pensam os leitores destas medidas, ou do seu sentido geral? Se houver outros aspectos do programa que achem merecer discussão, força.

- "Revisão do mapa nacional de universidades e institutos politécnicos"; "Identificação exaustiva e rigorosa dos cursos sem viabilidade na conjuntura actual" e "evitar a duplicação de ofertas [de cursos superiores], dando primazia às instituições com cursos de referência e especializando instituições com menor massa crítica a nível nacional";

-"Segmentar as Instituições de Ensino Superior em Termos de Educação e Investigação. O Governo deve desenvolver uma orientação política clara e incentivos relevantes para a especialização das
instituições em termos de pedagogia e investigação";

-"Flexibilização dos percursos de carreira possíveis, com valorização de outras dimensões que não só o ensino, a investigação e a publicação; Em particular, devem ser valorizadas as iniciativas relacionadas com a inovação empresarial, a criação de empresas e a geração de empregos de elevado valor acrescentado";

-"Criação de um novo modelo de financiamento para o ensino superior mais diversificado em termos de actividade e baseado no desempenho concreto das instituições"; "dotações para investigação básica limitadas a certas instituições, dotações para investigação aplicada limitadas, com «match funding» de empresas e associações sectoriais; prémios para o nível de internacionalização dos alunos e docentes e para presença em listas de referência internacionais; prémios para a empregabilidade dos cursos, a nível nacional e internacional; prémios para a ligação ao tecido empresarial";

-"Apoios [à investigação] passarem a estar entrados em políticas de estímulo à procura (tecido produtivo), em contraponto ao actual sistema, muito centrado na oferta (tecido científico)";

-"A FCT deverá privilegiar a atribuição de bolsas aos programas doutorais e não de forma individual aos candidatos";

-"O Governo deverá definir, com carácter de prioridade, e sem prejuízo de uma investigação fundamental, uma política no sentido de envolver os seus Laboratórios e Centros de Investigação Tecnológica, incluindo os universitários, a estabelecer e dinamizar parcerias com as empresas, com vista a desenvolver programas de investigação aplicada";

-"Os estabelecimentos de Ensino Superior devem ser incentivados a orientar os doutorandos nas áreas tecnológicas para temas de desenvolvimento de novos produtos, promovendo programas doutorais em estreita colaboração com as empresas";

-"Como regra, só em situações muito excepcionais, deve haver repetição de bolsas de pós-doutoramento";

-"Há que avançar de forma clara no espaço europeu de investigação, aumentando a participação de empresas e centros de investigação nos programas quadro, atingindo a curto prazo o objectivo mínimo de captar em financiamento um valor idêntico ao peso económico do País. Entre outros factores, devemos apoiar as grandes linhas de investigação industrial, mediante a colaboração público-privado".

P.S.- Perguntam-me por e-mail se não deveria incluir o programa do CDS-PP. Mas o programa eleitoral do CDS-PP , em 75 páginas, não menciona a palavra "ciência" uma única vez, e das seis vezes que aparece a palavra "investigação", quatro delas é a propósito de investigação criminal...

quinta-feira, junho 09, 2011

Outlier

Não sei porquê (sei, sei), achei que o último livro do Martin Amis já não conseguiu melhorar depois disto, na página 4:



Sobre as sondagens

Paulo Morais escreve sobre as sondagens no Blasfémias. Quatro comentários:

1. As empresas, pela voz dos seus responsáveis, já frequentemente assinalam que intenções de voto não são previsões. Lamentavelmente, essa argumentação é um bocado descredibilizada quando vêm depois a público reclamar sem mais que as suas sondagens foram as que mais se aproximaram dos resultados eleitorais como se isso tivesse um significado mais especial do que aquilo que tem.

2. Quando Paulo Morais diz que as intenções de voto no PSD foram subavaliadas e as do PS e do CDS inflacionadas, incorre, involuntariamente, no mesmo lapso. Como sabe Paulo Morais que elas terão sido inflacionadas e subavaliadas? Por comparação com os resultados eleitorais? Mas afinal...

3. De resto, mesmo que queiramos incorrer nesse primeiro lapso, há um segundo lapso no texto de Paulo Morais: as intenções de voto captadas no CDS estiveram completamente alinhadas com os que vieram a ser os seus resultados.

4. Não é para mim evidente a relação entre a pequena dimensão de alguns círculos e a estimação de intenções de voto a nível nacional, mas se calhar percebi mal.

Com tudo isto não quero dizer:

- que não faça sentido comparar intenções de voto com resultados. Faz sentido, desde que tenhamos em conta  e tentemos estimar tudo aquilo que pode fazer com que umas sejam diferentes das outras e que, como sucede em todos os estudos observacionais (ao contrário dos experimentais), compreendamos que nunca temos a certeza de conseguir "tomar em conta" todos esses factores.

- que tudo esteja bem no tratamento dos indecisos. Podia-se talvez fazer melhor.

- que tudo esteja bem - e este para mim é um dos pontos mais importantes  - na estimação do que é um "votante provável". Mas vai haver sempre limites. Nos Estados Unidos, ou em países como a Suécia, quem faz sondagens sabe se uma pessoa que declara uma intenção de voto e a intenção de votar votou realmente nas últimas eleições, pela consulta dos registos eleitorais. Em Portugal isso não é possível. E enquanto não for, vai ser difícil ter bons modelos.

- que grandes semelhanças entre as sondagens entre si, em cada momento e nos seus movimentos, não possam explicações menos benévolas. Já falei disso aqui muitas vezes.

E como isto é um país pequeno, e como muita gente olha para a realidade a preto e branco, e como discordâncias são frequentemente interpretadas em termos pessoais, acrescento que conheço bem Paulo Morais e tenho muita, mas mesmo muita, simpatia por ele.

quarta-feira, junho 08, 2011

As eleições e o que se segue

Uma análise no The Monkey Cage, em inglês não muito técnico.

Alegre/Bloco

Em complemento a este post do Aventar, um zoom sobre as intenções de voto dos três "pequenos partidos" a partir de Janeiro de 2010. A linha vertical é Novembro de 2010, início aproximado do declínio de Manuel Alegre nas sondagens para as presidenciais. Não estou a tentar vender teoria alguma. Fiquei intrigado com o post do Aventar e fui ver melhor, achei curioso, e é só isso.


P.S.- Claro que a descida de Alegre foi concomitante com a subida de Nobre. Aqui sim já estou a tentar passar uma teoriazita ou outra, assim ainda um bocadinho vaga.

segunda-feira, junho 06, 2011

Rescaldo

Vou fugir um pouco à prática de colocar aqui os dados em detalhe porque Fernando Pereira Bastos me enviou um ficheiro fantástico com tudo isso. Logo, disponibilizo-o aqui e limito-me a fazer alguns comentários. Desculpem esta descentralização, mas é simplesmente porque acho que não conseguiria fazer melhor.


1. Desvios entre intenções de voto registadas nas últimas sondagens e resultados eleitorais semelhantes aos verificados em 2009, mas com alguma diminuição global.
2. Boca das urnas, a mesma coisa, e aqui mais importante, porque estamos de facto a comparar comportamentos (não intenções) com resultados: desvios entre pontos centrais dos intervalos e resultados semelhantes aos de 2009, mas globalmente mais baixos.
3. Fenómeno de discrepância entre intenções de voto registadas para CDS-PP e resultados eleitorais desapareceu nesta eleição. Houve em 2002 e 2009, não houve em 2005 e 2011, e confesso que não tenho uma explicação que consiga apoiar com dados. Só especulações.

Para além daquilo que o Fernando fez, vou apenas actualizar um quadro que já tinha aqui apresentado. Vou considerar como sondagens da última semana apenas as que tinham amostras independentes:
- Aximage, 2 de Junho
- Marktest, 31 de Maio
- Católica, 29 de Maio
- Intercampus, 29 de Maio e 2 de Junho
- Eurosondagem, 29 de Maio de 2 de Junho

First things first

A nossa pool! Este post dava ligação para um ficheiro com todas as apostas registadas. Adicionei posteriormente umas apostas que estavam num comentário em que não tinha reparado.

Resultados às 10h de hoje:
PSD: 38,6%
PS: 28,1%
CDS-PP: 11,7%
CDU: 7,9%
BE: 5,2%

No dia 3 de Maio, às 17:16, recebi este comentário:
"PSD = 38
PS = 30
CDS-PP = 12
CDU = 8
BE = 5
OBN = 7"

Foi do Koimbra, grande vencedor, com um desvio absoluto médio de 0,62. Parabéns! As cinco primeiras classificações:

1º Koimbra (0,62)
2º Carlos Loureiro (0,78)
3º Hugo (0,94)
4º mcorreia, Nuno e, bem, eu próprio (1,34)
5º João Saro (1,38).

Koimbra: mande a sua morada para o e-mail do Margens de Erro, sff.

P.S. - O ficheiro está aqui para consulta.

sexta-feira, junho 03, 2011

Recta final

Na verdade estou sem tempo. Mas também acho que não há muito mais para dizer. Não me recordo de eleições com sondagens tão convergentes na última semana. O que não quer dizer:

1. Que estejam certas. Podem ser afectadas por enviesamentos comuns.
2. Que sirvam de previsão para os resultados de Domingo. Mesmo que estejam a medir com precisão as intenções de votar e de voto, intenções são intenções, e podem ser afectadas por movimentos entre a sua manifestação e o dia das eleições, especialmente de abstenção e mobilização diferenciais. O passado não sugere grandes surpresas, mas o passado nunca sugere surpresas até as surpresas acontecerem.

O melhor é votar. 2ª feira falamos.

A evolução desde Janeiro de 2010

Os resultados desde meados de Abril














Já agora, deixem-me fazer uma experiência:

Aximage, 29 Maio-1 Junho, N=1200, Tel.

PSD: 36,3%
PS: 30,1%
CDS-PP: 12,4%
CDU: 8,1%
BE: 6,6%

Aqui.

Intercampus, 28 Maio-1 Junho, N=1026, Presencial

PSD: 36,5%
PS: 31,1%
CDS-PP: 11,6%
CDU: 7,4%
BE: 6%

Aqui.

Eurosondagem, 29 Maio-1 Junho, N=2037, Tel.

PSD: 35,9%
PS: 31,1%
CDS-PP: 13,0%
CDU: 7,8%
BE: 5,9%

Aqui.

quinta-feira, junho 02, 2011

O chato

Eu sei que sou insuportável. Mas isto não dá:

"PSD cai 1 décima mas dilata vantagem sobre PS"

Eh pá, tenham paciência. Nem quero entrar na questão de "décima" vs. "décimo". E até percebo que uma descida de um décimo de ponto percentual possa aparecer numa tabela ou num gráfico. Mas num título? Que espécie de coisa é uma descida de 0,1 numa sondagem? Eu tinha dito que havia riscos nesta coisa da tracking poll, e este é o pior. Leiam lá isto. Nem é preciso fazer contas. É só ficar com a ideia geral.

Sondagem do CESOP

Intenções de voto não são comportamentos de voto, pelo que comporta um certo risco tratar a relação das primeiras com variáveis explicativas, risco esse que é contornado pelas sondagens pós-eleitorais (e por exit polls feitas a pensar nisso, volto a insistir). Mas os resultados da sondagem da Católica são tão interessantes desse ponto de vista que é impossível resistir. Estou a olhar para os gráficos do DN e não os encontrei online. Mas quando estiver depositada na ERC vão poder perceber melhor o que estou a dizer.

1. A relação curvilinear entre idade e a opção "De certeza que vai votar": mais jovens votam menos, a propensão cresce depois e volta a descer no fim do ciclo de vida. É muito débil ainda este padrão, mas vai fortalecer certamente quando olharmos para comportamentos em vez de intenções.

2. O bom desempenho do CDS e (especialmente) BE entre os mais jovens. O padrão é familiar.

3. A correlação negativa - forte mesmo nas intenções de voto - entre instrução e voto no PS, cujo desempenho entre os mais instruídos é bastante fraco. Entre os que não completaram o secundário, pelo contrário, o PS supera mesmo o PSD em intenções de voto. Também aqui se confirmam padrões de 2009. Mas o PSD parece ter recuperado entre os mais instruídos em comparação com 2009.

Tudo isto é para confirmar depois, mas é este tipo de coisas a que as sondagens e aqueles que as divulgam deviam dar sempre importância. E é também o tipo de coisas que dá confiança na validade daquilo que se mediu numa sondagem, tal como já me tinha sucedido ontem na análise dos resultados da Intercampus.

Assistente fora do escritório

Não vou conseguir responder a tantos e-mails com a brevidade que vocês acham - e bem - que eles merecem. Vou tentar responder, mas vai demorar. Desculpem.

Candidatos a deputados por Lisboa

É onde eu voto. A lista de candidatos pode ser consultada aqui. Bem sei que no nosso sistema esta consideração é talvez pouco relevante, e talvez menos do que deveria ser. Mas pensar deste ponto de vista pode fazer algum sentido, especialmente para quem estiver muito indeciso.

Um e-mail sobre OBN's nas intenções de voto e nos comportamentos de voto

Recebi um e-mail de um leitor com este gráfico. Não fui verificar dados mas suponho serem baseados no quadro no post abaixo com as sondagens das últimas semanas. A "projecção" que o leitor faz para 2011 é simplesmente a média das diferenças passadas entre as médias das intenções de voto e daqueles que acabaram por ser os resultados finais. O leitor informou-me também, com uma clareza que nem sempre ocorre nestas coisas, que é militante do MEP, tendo compreensivelmente grande interesse nesta questão. À vossa consideração.

Pool

uma pessoa que, imagino, gostaria que o resultado de Domingo fosse a média que está neste post.

Não percam

O gráfico feito pelo Bernardo Caldas, melhorado e já totalmente actualizado.

Actualizações várias

O quadro das sondagens desde meados de Abril. Recordem que estou a considerar apenas amostras independentes no caso das tracking polls:













As tendências mês a mês (e, no final, para a penúltima e última semanas antes das eleições) controlando house effects. PS desce da semana anterior para esta, PSD e CDU (ligeiramente) sobem, CDS pára depois de meses sempre a subir. Mas faltam sondagens.














E um quadro - provisório - com as sondagens das últimas semanas desde 2002. "Última semana" significa que o trabalho de campo terminou a partir do Domingo anterior à eleição:






















A incerteza sobre quem lidera as intenções de voto nesta eleição diminuiu muito com as sondagens que foram realizadas a partir do final da semana passada e cujos resultados estamos a conhecer agora.

quarta-feira, junho 01, 2011

Marktest, 28-31 Maio, N=1208, Tel.

PSD: 38,5% (-0,8)
PS: 30,1% (-3,3)
CDS/PP: 9,7% (+0,7)
CDU: 8,5% (+2,0)
BE: 4,5% (-0,3)


Aqui. Comparação com a sondagem da Marktest de 10 de Maio.

Eurosondagem, 27-31 Maio, N=2051, Tel.

PSD: 35,4% (-0,1)
PS: 31,3% (-0,9)
CDS/PP: 13,4% (+0,8)
CDU: 7,9% (+0,3)
BE: 6,0% (-0,3)

Aqui. Se olharmos para os últimos dois dias, temos:


30-31 Maio, N=1025, Tel.
PSD: 35,6% (+0,8)
PS: 31,2% (-0,9)
CDS/PP: 13,6% (+1,0)
CDU: 7,9% (+0,3)
BE: 5,8% (-0,7)

CESOP/Católica, 28-29 Maio, N=3963, Presencial

PSD: 36% (=)
PS: 31% (-5)
CDS/PP: 11% (+1)
CDU: 8% (-1)
BE: 7% (+1)

Aqui. A comparação é com a sondagem do CESOP cujo trabalho de campo terminou dia 22 de Maio.

Alguns padrões nas sondagens recentes

Passeando pelos depósitos de sondagens recentes na ERC, alguns padrões interessantes nas sondagens da Intercampus (todos eles meramente correlacionais):

1. Mulheres muito mais propensas a manifestar que "não sabem" em que partido votariam.
2. 55 ou + muito menos propensos a manifestar que não vão votar.
3. Dentro daqueles que manifestam intenção de voto, os que tencionam votar na CDU são os que mais dizem que "vão votar de certeza" (95% ou mais nas últimas sondagens). A diferença não é muito grande em relação aos outros partidos, mas tem-se tornado mais forte à medida que avançamos nas diferentes vagas das sondagens da Intercampus. E outra coisa: entre os eleitores do PSD, a percentagem dos que dizem ter a certeza que vão às urnas é sempre superior à percentagem equivalente no PS.

Ainda boca das urnas

Um excelente resumo sobre como são feitas. Em Portugal é muitíssimo parecido, com a diferença do post anterior e, claro, da operação logística absolutamente descomunal que acontece nos Estados Unidos. De resto, ficava tão caro que as estações se juntaram e passaram a encomendar a sondagem a uma única empresa, utilizando depois os dados como quiserem.

Boca das urnas

No próximo dia 5, é provável que tenhamos o costume: às 20.00h, são anunciadas três projecções, muito próximas entre si, e bastante próximas em relação ao total de votos escrutinados. Desse ponto de vista, não me recordo de uma eleição em que tenha havido problemas (com excepção de uma ou outra eleição regional; quem procurar aqui no blogue encontra um ou outro desses casos). Depois vão andar pelas sedes partidárias, ouvir 457 membros de secretariados e comissões políticas, 967 comentadores (sendo eu um deles), discursos de vitória e de derrota, filmagens de carros e motas a caminho dos ditos, etc.

Mas há um aspecto em que as nossas sondagens à boca das urnas são claramente deficientes: basicamente, não ficamos a aprender nada sobre como as pessoas votaram. Vou dar-vos um exemplo do tipo de coisas que se poderia ficar a saber:
































No caso americano, uma infografia fabulosa do NYT mostra o voto segundo uma série de variáveis socio-demográficas. Na Alemanha, algo semelhante, a votação por diferentes grupos sociais, havendo igualmente cruzamentos com avaliações de líderes e percepção de importância de diferentes problemas sociais.

Isto seria impossível de fazer em Portugal? Não. O principal problema novo seria o de transmitir dos pontos de amostragem para a central os dados sobre as restantes variáveis para além das votações agregadas. Mas há soluções tecnológicas capazes de o fazer que não exigiriam investimentos demasiado grandes. Mesmo que os valores das variáveis tivessem de ser ditados pelo telefone, seria sempre possível fazê-lo junto de uma sub-amostra bem menor do que os habituais 15 a 30 mil inquiridos e mesmo assim obter resultados fiáveis e relevantes.

Haveria um custo adicional, certamente. O que se passa, contudo, é que as televisões não acham isto suficientemente interessante para pagarem esse custo adicional. É só mais um exemplo de como as sondagens poderiam aprofundar (em vez de "superficializar") o debate político, mas de como os clientes resistem a correr o risco de mudar a cobertura das noites eleitorais, receando que os espectadores não se interessem. Sempre achei e sempre lhes disse que estão enganados e que valeria a pena arriscar. Pode ser que um dia.

Twitosfera até dia 31 de Maio




















Até agora tenho sido parco em comentários sobre estes dados do projecto REACTION, especialmente porque não sei bem o que dizer que não seja puramente descritivo:
-  As menções a Sócrates diminuíram de peso nas menções totais até meados de Maio, tendo voltado a crescer desde desde aí. O mesmo não sucede nas menções positivas (em relação ao total de menções positivas), que estão estáveis desde meados de Maio
- Paulo Portas é mencionado na Twitosfera com uma frequência desproporcionalmente elevada em relação ao peso eleitoral do CDS, e isso é especialmente verdade no que respeita às menções positivas, onde cresce desde meados de Maio aparentemente à custa (digamos assim) de Sócrates e Passos Coelho.

Um leitor sugeria que tomasse de alguma forma em conta a relação entre menções positivas e negativas. É o que faço no gráfico seguinte, que calcula um índice: (2*%positivas + %neutras)/2. O índice varia entre 0 (100% negativas) e 100 (100% positivas):



Entre os tweets que mencionam cada um dos líderes, os dos pequenos partidos têm menos negatividade.

Para já só queria mostrar estas coisas. Acho que tem de haver muita análise a posteriori para compreendermos a utilidade disto, para além de medir o que se passa na twitosfera portuguesa, que já me parece suficientemente interessante.

terça-feira, maio 31, 2011

Eurosondagem, 26-30 Maio, N=2059, Tel.

PSD: 35,5%
PS: 32,2%
CDS: 12,6%
CDU: 7,6%
BE: 6,3%

Aqui. Em relação aos resultados de ontem, PSD sobe 0,7 pontos, é a única mudança assinalável. No trabalho de campo conduzido exclusivamente no dia 30, os resultados foram os seguintes:


PSD: 36,4%
PS: 32,4%
CDS: 12,3%
CDU: 7,6%
BE: 6,1%

Mas estamos neste caso a falar de cerca de 500 inquiridos. 

Gráfico dinâmico

Há por aí muitos gráficos com sondagens. Este, feito por mim, este, na Marktest, ou este e este, no Público e na SIC Notícias, respectivamente. E de certeza que há mais.

Mas o que não há, que eu saiba, é um gráfico dinâmico onde se possa, que sei eu, ver todos os resultados desde 2005, escolher diferentes empresas ou partidos, modificar o eixo y para ver melhor o que se passa com os pequenos partidos ou escolher diferentes intervalos de tempo.

Não há? Não havia. Mas o Bernardo Caldas, 19 anos, estudante de Engenharia Electrotécnica e de Computadores no Instituto Superior Técnico, achou que devia haver. E achou bem. Parece-me que fez isto em dois fins de tarde. E vocês, na infografia dos jornais online, já voltaram de tomar o cafézinho?

segunda-feira, maio 30, 2011

Eurosondagem, 25-29 Maio, N=2052, Tel.

PSD: 34,7%
PS: 32,1%
CDS-PP: 12,9%
CDU: 7,7%
BE: 6,3%

Aqui. Estes resultados são produzidos inquirindo 2052 pessoas mas ponderando os quatro dias de trabalho de campo de forma diferente (não houve trabalho de campo dia 28). Eu tenho tratado os resultados de uma maneira alternativa, olhando para os resultados de blocos de cerca de 1000 inquiridos de cada vez. Se o fizermos (e compararmos com os 1000 anteriores), ficamos, salvo erro, assim:

27-29 Maio, N=1025
PSD: 34,8% (+1,0)
PS: 32,1% (-0,6)
CDS-PP: 12,6% (-0,7)
CDU: 7,6% (-0,1)
BE: 6,5% (=)

Intercampus, 25-29 Maio, N=1010, Tel.

PSD: 37% (-2,6)
PS: 32,3% (-0,9)
CDS-PP: 12,7% (+0,6)
CDU: 7,7% (+1,1)
BE: 5,2% (-0,4)

Aqui. Espero que isto não lance confusão, mas tal como tenho sempre feito estou a comparar com a última amostra independente da Intercampus, ou seja, o estudo cujo trabalho de campo terminou a 22 de Maio. Como é óbvio pela notícia, se compararmos com a amostra da sondagem imediatamente anterior (com a qual esta partilha dois dias de trabalho de campo), o PSD sobe.

Intenções de voto e resultados eleitorais

Sondagens não são previsões, já sabemos. Mas se houvesse um padrão regular nas diferenças entre as intenções de voto medidas pelas sondagens e os resultados eleitorais, isso seria desde logo um passo possível numa tentativa de usar as intenções de voto para prever resultados. O que tenho para dizer sobre o assunto está aqui (.pdf) em colaboração com o Luís Aguiar-Conraria e o Miguel Maria Pereira. Mas numa abordagem um pouco mais descritiva, o que encontramos quando comparamos as sondagens feitas nas últimas duas semanas antes das eleições (medindo intenções de voto) e aqueles que acabam por ser os resultados? O quadro abaixo mostra o que se encontra nas três últimas eleições legislativas:


Não quero tirar daqui conclusão alguma. O que concluo sobre este tipo de análise está no artigo linkado acima. Os leitores tirarão as suas.

Nota: tendo em conta os comentários aqui e noutros sítios, duas coisas. Primeiro, o intervalo mostra os valores mínimos e máximos. A média é a média dessas E das restantes sondagens. Segundo, olho apenas para 2002 e seguintes porque antes não se podia divulgar sondagens na última semana.

Probabilidade de o PS ganhar as eleições, segundo MRS

"Eu próprio dizia, há quatro ou cinco dias, que achava que o PS tinha 10% de hipóteses de vitória, olhando para a evolução das sondagens, há uma semana atrás ou no começo da semana. Aumentou essas probabilidades, eu hoje já diria que tem para aí 30% ou 35% das hipóteses", afirmou ontem Marcelo Rebelo de Sousa, no jornal das 8 da TVI.

Um mês de twitosfera (29 de Abril a 29 de Maio)




"Outros, Brancos e Nulos"

Um amigo chamou-me a atenção para a possibilidade da parcela "Outros, Brancos e Nulos" estar a aumentar nas sondagens. Fiquei curioso, mas desde logo um pouco preocupado. Primeiro, fico sempre um pouco inquieto quando se trata de analisar o conceito de "Outros, Brancos e Nulos", uma categoria residual, no sentido em que reúne coisas muito diferentes entre si. Segundo, receio sempre que os resultados das sondagens nesta categoria tenham um tratamento demasiado diferente de sondagem para sondagem. Na Marktest, por exemplo, notem como os resultados, mesmo depois de distribuídos os indecisos, atribuem 12,6% à categoria "Voto Branco/Outros" e como depois a Marktest "pondera" os resultados finais da seguinte forma: "ajustado o valor dos votos brancos e outros com base no valor obtido nas últimas Eleições para a Assembleia da República - Fev.2005" (deve ser gralha o Fev. 2005). Por outras palavras: a Marktest acha que a sondagem está a sobrestimar os OB's e recalcula tudo atribuindo-lhes um valor mais baixo. O único outro caso que conheço bem é o do CESOP, onde as pessoas que declaram voto em branco são questionadas sobre a sua inclinação de voto. Só aqueles que dizem que votariam em branco E não demonstram uma inclinação de voto são tratados como votos em branco no final. E não sei o que se faz ou como se faz nas outras empresas. Tudo isto para dizer que:

1. Há pelo menos duas empresas que sentem que captam votos em branco acima das reais intenções dos inquiridos;
2. As empresas tratam desta assunto de formas muito diferentes.

Dito isto, podemos olhar, com muita cautela, para a evolução dos OBN's. A primeira coisa que vi foi isto:



















Se presumirmos a possibilidade de os OBNs estarem a mudar linearmente com a passagem do tempo e formos à procura desse padrão, ele está lá, e é de crescimento. Mas o que acontece se tornarmos esta evolução mais sensível a mudanças na tendência?



















Crescimento até início do ano e depois diminuição. Mas tudo isto merece outro tipo de tratamento. Se o tratamento dos OBN's é muito sensível ao que é feito por cada empresa, temos um caso onde controlar por house effects se torna particularmente importante. E se fizermos isso, o que vemos?

1. Entre Março de 2005 e Janeiro de 2011, a percentagem de OBN's aumenta quase 4 pontos.
2. Entre Janeiro de 2011 e a segunda metade de Maio, desce 2,5 pontos.

Logo, a afirmação de que os OBN's estão a subir é correcta a médio/longo prazo, mas incorrecta a curto-prazo. É o melhor que consigo concluir neste momento.

"Perceba a treta das sondagens"

Por Luís Filipe Malheiro, no Jornal da Madeira. Um excerto:

"Sempre que as pessoas ouvirem falar de sondagens, percebam logo que estão a ser enganadas, porque estamos a falar de um embuste e de uma aldrabice que deveria, apadrinhada pela comunicação social, justificar a intervenção do Ministério Público, levando a tribunal as empresas vendedoras desta falcatrua para além da reacção de outras entidades com tutela neste domínio, casos da Comissão Nacional de Eleições e da ERC."