quinta-feira, janeiro 15, 2009

Detalhes

A sondagem da Aximage para o Correio da Manhã gerou alguma agitação adicional por um dos seus resultados ter sido divulgado antecipadamente na blogosfera: os 23% de intenções de voto para o PSD. Dito isto, perdoem-me que repita uma banalidade, mas há um pequeno detalhe. Um leitor menos habituado a estas coisas olha para estes 23%, pensa nos 29% que o PSD teve nas eleições de 2005, pensa eventualmente nos 27% que o PSD tinha na última sondagem da Intercampus, ou nos 30% que tinha na última sondagem da Católica, ou até nos 30% que tinha na última sondagem da Eurosondagem, e fica surpreendido com a dimensão da discrepância: 4 pontos menos que a outra sondagem com valores mais baixos.

Mas atenção: os 23% da Aximage para o PSD são calculados em relação a um total onde estão incluídas intenções de voto ou de votação em branco ou nulo (o que é contabilizado nas legislativas) assim como "indecisos" (7,1%). Pelo que estes 23% não podem ser comparados nem com resultados eleitorais nem com os resultados das outras sondagens acima descritos. Se fizermos para estes resultados o mesmo que a Intercampus, a Eurosondagem e a Católica* fazem com as suas intenções de voto brutas, ou seja, redistribuir os indecisos proporcionalmente pelas restantes opções de voto, os resultados são os seguintes (arredondados à unidade):

PS: 40%
PSD: 25%
BE:12%
CDU: 9%
CDS:8%
OBN:5%

É só um detalhe. Sobre se a "boa" estimativa para o PSD é 25 ou 30%, não creio que se possa saber e isso é, de resto, o que menos interessa. O que interessa é que o resultado da Aximage está perfeitamente alinhado na tendência (que é o mais importante): o PSD desce na Aximage (de Dezembro para Janeiro), como já descia na Intercampus (de Outubro para Dezembro), como já descia na Católica (de Outubro para Dezembro) e como já descia na Eurosondagem (de Novembro para Dezembro). Não creio que haja dúvida razoável sobre a noção de que o PSD está a perder apoio eleitoral nos últimos meses.

*O asterisco é só porque a Católica faz uma coisa ligeiramente mais complicada, que é usar as respostas dos indecisos a uma segunda pergunta sobre "inclinação de voto" para os distribuir. Mas os que não respondem a essa pergunta são tratados da mesma forma, ou seja, como abstencionistas.
Enviar um comentário