segunda-feira, abril 26, 2010

O eleitorado português: instrução e voto

Num post anterior, olhámos para a relação entre a idade dos eleitores e o seu comportamento de voto. Hoje olhamos para a instrução. As duas coisas estão fortemente relacionadas na nossa sociedade, pelo que encontrarão algumas semelhanças nos padrões detectados. Comecemos pelo voto em 2009: a cinzento, distribuição dos votos válidos no Continente; a preto, o voto daqueles cujas qualificações académicas correspondem ao secundário completo ou mais:



















Como se pode ver, BE e CDS-PP com ligeira melhor prestação entre os mais instruídos, PS e PSD pior. Se olharmos para a relação entre as qualificações académicas a propensão para votar em cada partido, observamos "tendências" (sempre com a precaução interpretativa necessária de estarmos a olhar apenas para três observações e numa análise meramente bivariada) interessantes:



















A primeira coisa que se vê, obviamente, é que a relação entre instrução e voto é, em geral, muito pequena: os partidos são muito heterogénos deste ponto de vista. Dito isto, no PS, a tendência é para que a instrução deixe de ser um correlato significativo do voto. Por outras palavras, o PS, que tinha aparentemente forte implantação entre os menos instruídos, está a deixar de exibir essas características. Na CDU passa-se o oposto. E o resultado mais interessante de todos, creio: o BE é cada vez menos marcado pelo facto de ter um eleitorado com altos níveis de instrução. Por outras palavras, reforçando a tendência (menos nítida) que já víamos na idade, o "estereótipo" do eleitor do BE - jovem, alta instrução - é hoje menos verdadeiro, após a expansão do seu eleitorado.
Enviar um comentário