sexta-feira, janeiro 11, 2013

O relatório do FMI

Não é boa maneira de começar um post com este título, mas a verdade é que não me sinto capaz de dar uma opinião fundamentada sequer sobre o sumário executivo. Nada do que se discute ali é a minha área. Mas a discussão que está a ocorrer leva-me a falar de um paper de Boeri e Tabellini com o título "Does information increase political support for pension reform?" Basicamente, eles partem de inquéritos feitos em Itália onde se medem junto dos inquiridos:

- se são a favor de aumentar a idade de reforma e/ou reduzir benefícios;
- o seu conhecimento sobre a situação financeira da segurança social, como são usadas as contribuições e a % do salário usada para pagar contribuições;
- o grau de atenção aos media sobre estes temas.

Isto é complementado com uma experiência onde, a uma parte aleatoriamente seleccionada de uma amostra num inquérito online,  é pedido que leiam um texto descritivo sobre o funcionamento do sistema italiano.

Resultados:

*65% dos italianos sabiam que o sistema estava em situação deficitária, só 50% percebiam que o sistema é "pay-as-you go", e só 10% (dos empregados, menos do total) acertavam na taxa dentro de um intervalo +/- 2.5% (e apenas um em cada quatro acertava num intervalo maior, 25%-40%).
* Quanto menos informação objectiva sobre o funcionamento do sistema, menor a propensão para aceitar reformas ao sistema no sentido de aumentar idade da reforma e/ou diminuir benefícios. Isto é estimado de uma data de maneiras diferentes, presumindo exogeneidade e endogeneidade das variáveis que medem informação, etc.
* Exposição ao debate nos media sobre a reforma do sistema tem efeito nulo sobre a real informação sobre o sistema. Vale a pena citar:

"Individuals who declare to be more exposed to media coverage do not appear to be more informed about basic features of the pension system. One interpretation of this result is that individuals read newspaper articles or watch TV programs on the issue just to confirm their priors, more than to collect new information."

* A experiência confirma o resultado anterior: quem lê o texto fica mais propenso a aceitar reformas. Sei no que vocês estão a pensar, e eles também:

"There is, however, an unavoidable issue of interpretation. Although the description is factual and unloaded with normative suggestions, we cannot rule out the possibility that exposure to treatment here conveys more than just factual information, but also forces the respondent to think more carefully about his answers, or provides additional information besides that captured by the variable info." 


Sobre saúde não conheço estudos assim, mas fiz, com Henrique Lopes, um estudo de apoio a um relatório de Jorge Simões, Pedro Pita Barros e João Pereira sobre a sustentabilidade do SNS, que consistiu num inquérito por questionário a uma amostra nacional sobre o tema (disponível aqui). O inquérito tratava muita coisa mas o aspecto relevante aqui é este: 

* 81% dos inquiridos consideravam-se mal informados sobre a forma como o SNS é financiado.
Só 11% tentaram responder à pergunta do valor da despesa do SNS por habitante por ano. Desses 11%, quase ninguém respondeu no intervalo 721-880 (o valor real de 2005 com uma flutuação de +/- 10%) e a maior parte achava que era menos.
* Só 7% tentaram responder à pergunta do valor da despesa agregada (8.000 milhões) e, desses, apenas 1 em 10 acertaram num intervalo generoso de 5.000/10.000 milhões. No total, em 1.173 pessoas inquiridas, só uma deu as duas respostas "certas".

Nos estudos eleitorais, tende a prevalecer uma visão benévola sobre a ignorância que as pessoas possam ter sobre os temas substantivos discutidos na vida política, alegando-se que com "atalhos informacionais" as pessoas acabam por chegar às "respostas certas", ou seja, àquelas que chegariam mesmo se tivessem mais informação. Mas estudos como este sugerem que a falta de conhecimento tem implicações maiores, pelo menos quando se trata de debates com este grau de tecnicidade. Outro ponto é que, pelos vistos, a exposição a estes debates junto dos meios de comunicação social muda pouco ou nada.

P.S.- De resto, uma das sugestões de Boeri e Tabellini é que se siga o exemplo da Suécia, onde "“orange envelopes” are mailed every year to all contributors, providing basic information on the functioning of the pension system, a glos- sary, a statement of past contributions and projections of the annual entitlements under three retirement ages and for two assumptions on economic growth." Isso, contudo, exige governos que confiam na inteligência dos seus cidadãos e cidadãos que confiam na honestidade dos seus governos...
Enviar um comentário