sábado, março 27, 2010

Eleições e sondagens no PSD

Houve apenas duas sondagens que procuraram medir, junto dos militantes do PSD, a sua intenção de voto, ambas feitas pela Pitagórica para o Sol. Ambas subestimaram a votação em Passos Coelho em 10 pontos ou mais, e a segunda subestimou a vantagem deste sobre Rangel em 17 pontos. Não é brincadeira. Mas recordem que estas sondagens são muito difíceis de fazer. A lista de militantes encontra-se actualizada e os contactos correctos? Com o pagamento de quotas à última hora, em que medida o universo inicial da sondagem (e a amostra que dele se tira) corresponde ao que vem a ser o universo real? Em que medida os militantes com telefone fixo são diferentes dos que não o têm? Etc, etc, etc.

Uma das campanhas e vários dos seus apoiantes insinuaram que, devido ao facto de Alexandre Picoito ser apoiante de um dos candidatos e responsável técnico da empresa que fez as sondagens, estas não poderiam ser sérias. A insinuação foi tão forte que passou de insinuação a afirmação, e viu-se amplificada e reproduzida acriticamente por variados órgãos de comunicação social. Chegou-se a defender que a empresa ou a pessoa responsável deveriam estar impedidos de fazer as ditas sondagens. Contudo, elas fizeram exactamente o contrário daquilo que foi insinuado: em vez de sobrestimarem a vantagem de Passos Coelho, subestimaram-na. Irá isto dissuadir alguém de fazer este tipo de afirmações e insinuações da próxima vez? Vocês sabem a resposta tão bem como eu.
Enviar um comentário