segunda-feira, março 28, 2005

Autárquicas

As sondagens para as autárquicas já mexem. A razão para o silêncio até agora é simples, e parecida com a que levou ao atraso nas contas finais: falta de tempo. Mas vou estar mais atento e, já agora, peço um favor: dado que me é mais difícil seguir a imprensa local, ficaria muito agradecido se fizessem chegar as sondagens que vão encontrando.

Para já, recebi este amável e-mail:

No Porto já há sondagem que ferve a propósito da campanha autárquica e não há sítio nenhum onde a gente se informe sobre o entorno técnico-científico dos trabalhos. Por exemplo parece-lhe lícito desagregar à freguesia uma sondagem concelhia com cerca de 700 inquiridos por telefone e cerca de 500 respostas validadas? Na freguesia de Miragaia faziam-se alegremente percentagens sobre 8 (oito) respostas ( ver o ‘Comércio do Porto’ de 3ª feira, 22 de Março).


A resposta à pergunta é, como o autor do e-mail certamente já intuia, NÃO. Uma amostra de 700 inquiridos pode, no seu conjunto, ser representativa de um concelho, dentro dos limites da margem de erro amostral respectiva e das outras potenciais fontes de erro. Mas ser representativa do conjunto não significa, claro, que as sub-amostras obtidas a qualquer nível de desagregação (freguesia, "zona", nível de instrução, etc.) sejam representativas do respectivo sub-grupo. Quando muito, são representativas tendo em conta a respectiva margem de erro amostral máxima, que no caso apontado de Miragaia é de + ou - ...35%... Um erro muito comum nas análises das sondagens feitas na imprensa.



Enviar um comentário