sexta-feira, fevereiro 02, 2007

Reflexões irlandesas para o fim de semana

Ando para aqui a reler umas coisas antigas sobre referendos, e reencontro um artigo que teria valido muito a pena ler em 1998 e que volta a ser útil agora. Para quem tiver acesso à B-On ou ao JSTOR , chama-se Referendum Dynamics and the Irish Divorce Amendment.

Para quem não tiver acesso ao artigo, é sobre o referendo de 1986 na Irlanda, onde se votou sobre o levantamento de uma proibição constitucional do divórcio. Os factos descrevem-se rapidamente: em Fevereiro e Abril de 1986, havia maiorias claras nas sondagens a favor do "Sim"; em Junho, o "Não" ganhou. Onde é que eu já ouvi isto?

Darcy e Laver discutem várias hipóteses explicativas desta mudança maciça de opinião, à luz de outros exemplos de "opinion reversal" em referendos nos Estados Unidos: referendos sobre a fluorização da água e de ratificação da Equal Rights Amendment. E concluem duas coisas sobre aquilo que faz com que uma aparente maioria na opinião pública antes de uma campanha possa ser convertida numa derrota eleitoral:

1. A primeira, negando a ideia de que os eleitores estavam "confusos", e sugerindo, pelo contrário, que tomaram uma decisão "racional" (sem que isto seja um juízo de valor) na base da maneira como o assunto acabou por lhe ser apresentado:

"Voters favoring a limited form of divorce but voting no may not have been confused at all. Rather, they could well have adopted these superficially contradictory positions because they were not certain that only a limited form of divorce could be maintained once the constitution was amended. And we should note that the allegedly inexorable drift that would take place toward 'divorce on demand' was another key plank in the campaign of the antis. (...) This suggests the shift away from support for the divorce amendment was a shift away from the details of one specific proposal, not a shift away from support for divorce itself"


2. A segunda, sugerindo que um dos factores explicativos para a derrota do "Sim" foi o crescente afastamento das elites políticas da campanha e a transformação da campanha num "conflito comunitário":

"Wary both of internal splits and of finding themselves on the wrong side of an increasingly divisive issue, established elite organizations begin to develop strategies for avoiding participation. As a resulf of this, ad hoc groups outside the political elite carry on the struggle for both sides and 'finally, with the widening of the conflict, the tone of the debate shifts to one fo antagonism, personal slander, and overt hostility' (Boles, 1979, 18). Elite withdrawal from an increasingly ugly campaign, fought using techniques that often break the established rules of the game, appears to the public as elite doubt over the issue at stake. The proposed change thereby loses legitimacy and the result is defeat for the proposal. "

Dito isto, uma nota menos pessimista para o "Sim": em 1995, um novo referendo sobre o tema foi aprovado. Dessa vez, como se explica neste paper do Michael Gallagher, havia mais partidos a favor do "Sim" e os anteriores oposicionistas tiveram posições mais ambíguas (onde é que eu já ouvi isto?) Mas a verdade é que a nova proposta tomava em conta várias das preocupações sobre liberalização ilimitada (legítimas ou não, é indiferente) que tinham surgido em 1986. E que mesmo assim, ganhou por apenas 50,3% contra 49,7%...

Bom fim de semana.
Enviar um comentário