segunda-feira, maio 07, 2007

França

Sobre as sondagens francesas, por preguiça mas também por manifesta inutilidade, não vou mostrar os quadros do costume. Todas fizeram amostragem por quotas, tudo telefónico, e todas estiveram muito perto. Sarkozy teve 53,1% dos votos. No dia 3, a TNS dava-lhe 54,5%, a IPSOS 54% e a CSA e o IFOP 53%.

Mais interessantes são os resultados das sondagens à boca das urnas ou as telefónicas pós eleitorais, que mostram o que não podia deixar de ser: Ségo foi buscar bastante bem o voto da extrema-esquerda; Sarko bem também com o anterior voto Le Pen. O problema foi que o eleitorado Bayrou se dividiu, e segundo a IPSOS (.pdf) e a CSA, únicas que vi com atenção, com ligeira vantagem para Sarkozy. De notar também um dado interessante: segundo o estudo da IPSOS, 14% dos votantes em Sarkozy dizem ter votado nele para impedir a vitória de Royal, enquanto 42% dos votantes Royal dizem ter votado nela para impedir a vitória de Sarkozy. Talvez por isso 98% por cento dos votantes simpatizantes da UMP tenham votado Sarko, enquanto o valor baixa para 90% entre os simpatizantes PS que votaram Ségo (10%, portanto, votaram Sarko). É assim, bocadinho a bocadinho se faz uma vitória numa eleição como esta.

Pelos vistos, os franceses (mesmo os que votaram Royal) queriam agora Jean-Louis Borloo como PM, mas Sarkozy deverá nomear François Fillon. E as legislativas já mexem: o Movimento Democrata de Bayrou já vai nos 15% e a UMP parte com vantagem (escassa, contudo) sobre o PS. A vida não está fácil para a Internacional Socialista.
Enviar um comentário