domingo, julho 15, 2007

Rescaldo

Já é possível o rescaldo, com todas as freguesias contadas. Seria sempre possível esperar pelos oficiais mas é improvável que isso faça qualquer diferença. A metodologia é a habitual: o erro 3 de Mosteller, ou seja, a média, para cada sondagem, dos valores absolutos dos desvios entre as estimativas e os resultados finais.

(quadro revisto, com correcção da estimativa da Intercampus para o CDS-PP na sondagem à boca das urnas; o erro médio, contudo, permanece inalterado)

Parabéns à Aximage, que foi quem esteve mais próximo entre as sondagens pré-eleitorais. Seguem-se a Católica e a Eurosondagem, mas a diferença pode, de um certo ponto de vista, ser encarada como maior do que os 0,3 de diferença no erro médio, dado que quer a Católica quer a Eurosondagem colocaram Negrão à frente de Carmona, o que não sucedeu.

De um outro ponto de vista ainda, os resultados sugerem (sem provar) mais precisão para as amostras aleatórias (Aximage, Católica, Eurosondagem) e para sondagens realizadas mais perto do acto eleitoral (Aximage). Já no que respeita ao modo de inquirição, nada é evidente: a Aximage foi telefónica e a Católica e a Eurosondagem presenciais com boletim simulado em urna, ao passo que a Marktest foi telefónica e a Intercampus, de novo, com boletim. Não me parece que se tire grandes lições no que respeita ao modo de inquirição.

Na boca das urnas, como é normal, os resultados foram melhores para todos. As diferenças entre os diferentes institutos são muito reduzidas, mas foi a Intercampus, seguida da Católica e da Eurosondagem, quem mais se aproximou do que acabou por suceder.

Enviar um comentário