sexta-feira, julho 13, 2007

Sobre as sondagens

Se se esperava que estas últimas sondagens viessem, como sucede noutras ocasiões, "convergir" nesta última semana, e resolver assim algumas das incertezas que permaneciam, não foi isso que sucedeu.

* Onde a incerteza diminuiu um pouco foi em relação ao PS. Até este semana, tínhamos visto resultados entre os 31 e os 40 por cento, nove pontos de diferença. Mas nesta semana, o mínimo é 32 e o máximo 37.1. Se excluirmos a Intercampus, o mínimo é 32 e o máximo 34.2. Nada, absolutamente nada, sugere que o PS poderá não ganhar esta eleição. E nada sugere que a possa ganhar com maioria absoluta. Não há impossíveis, mas...

* A incerteza também diminuiu em relação às restantes listas, mas muito menos. Na base destes resultados, é impossível saber quem tem mais intenções de voto: Carmona ou Negrão. Em duas sondagens (Intercampus e Aximage) estão, para todos os efeitos, empatados. Noutras duas (Católica e Eurosondagem), é Negrão quem leva vantagem. Para outra ainda (Marktest) é Carmona. Leio os comentaristas e vejo que está toda a gente muito certa de que Carmona ficará em segundo. Os dados não consentem essa ideia, mas quem sabe?

* Se esquecermos a Intercampus, Roseta, Ruben e Sá Fernandes são quem têm a vida mais certa: entre 9.5 e 12.1 para a primeira, entre 7 e 10.2 para o segundo, e entre 4.8 e 8 para o terceiro. O problema é que não há razão plausível para esquecer a Intercampus. É certo que, em 2005, as coisas lhes correram mal, mas as coisas já "correram mal" a quase toda a gente. A Intercampus está farta de fazer sondagens pré-eleitorais e à boca das urnas e, na base do único parâmetro que temos - a comparação com os resultados eleitorais - não há razão nenhuma (pelo contrário) para dizermos que não são capazes de descrever correctamente as intenções e comportamentos dos eleitores. Pelo que a incerteza permanece.

* Telmo Correia entre 2 e 4. Eu percebo, mas sinceramente não estou a ver. Cá estaremos para confirmar.

Até a detecção de tendências parece impossível. A ideia geral que fica é que Costa, Carmona, Negrão e Roseta podem todos ter descido, ao passo que Ruben, Sá e Telmo subido. Mas isso é só comparando as primeiras sondagens com estas últimas. Comparando instituto a instituto, há tendências para todos os gostos. E do ponto de vista metodológico, se alguém encontrar alguma relação entre método de amostragem ou de inquirição e os resultados, avise que eu gostava de saber qual é.

Esta eleição tem a receita ideal para gerar esta incerteza nas sondagens, assim como desfasamentos elevados entre estes resultados e o que venha a suceder no Domingo:
- candidatos independentes, que como já vimos, produzem volatilidade acima do normal;
- presumível elevada abstenção, sempre problemática para as sondagens;
- eleitores ausentes em férias que podem regressar entretanto e eleitores presentes que podem partir para férias entretanto;
- eleitores recenseados em Lisboa mas que não vivem em Lisboa e podem vir votar (não tendo sido captados pelas sondagens).

Sejam quais forem os resultados no Domingo, já se pode dizer que haverá institutos cujas estimativas se vão desviar bastante desses resultados. Continua a ser difícil fazer sondagens em Lisboa.
Enviar um comentário