segunda-feira, junho 27, 2005

Errata

O leitor atento do Público poderá ter notado duas coisas:

1. Na peça "Trabalhadores do sector privado a favor da redução de privilégios dos funcionários públicos", quando a jornalista (Anabela Campos) fala dos trabalhadores do sector privado (ou "trabalhadores fora da função pública"), refere-se invariavelmente às percentagens de respostas calculadas em relação ao total de "Outros". Mas quando se olha para os quadros com atenção, verifica-se que os "Outros" incluem não apenas os trabalhadores do sector privado, mas também estudantes, pensionistas, desempregados e domésticos(as). Posso-vos dizer que o fundamental das afirmações feitas no texto continua a ser correcto, mas falta-lhes esta precisão.

2. Na peça da passada 6ª feira, o gráfico que se referia à percentagem de eleitores que dizem que "nenhum partido da oposição faria melhor que o actual governo tinha uma gralha". 63% dizem que Não, em vez de dizerem que Sim. O texto que comentava estas repsostas, aliás, estava correcto.
Enviar um comentário