quarta-feira, janeiro 10, 2007

Campanhas

Só para chamar a atenção da argúcia dos movimentos que apoiam o "Não" quando introduzem a questão de "quem paga" neste complicado pacote de temas e dimensões que se formou em torno do referendo do dia 11. Ao fazerem-no, criam uma "no-win situation" para os lados do "Sim": se for o Estado, então "não com os meus impostos"; se for privado, então são "as clínicas espanholas que vêm enriquecer à custa dos abortos". Uma vez mais, vê-se como, em situações como estas, o enquadramento que é dado aos temas é absolutamente central, afectando a opinião pública directa ou, mesmo, indirectamente (levando os oponentes a cometerem erros e a dizerem o que não devem).

Dito isto, também não acho que a "campanha" do "Sim" seja assim tão má como se diz. Pelo menos, parece ter percebido que teria de enfatizar um determinado enquadramento da questão que tinha sido secundarizado em 1998: a do referendo como mera oportunidade para "despenalização". Para o bem ou para o mal, a ideia de "livre escolha das mulheres" (a "barriga é minha") ou as preocupações de saúde pública parecem comover pouca gente, mas o mesmo não sucede com a ideia de colocar mulheres na cadeia por fazerem um aborto. Isto é certo e sabido dos dados de opinião, e só se estranha que tenha demorado tanto tempo a perceber.

O problema do "Sim" talvez seja outro: não parece haver "uma campanha do Sim", mas sim "campanhas", pouco concertadas entre si, deixando uma vez mais aos partidos de esquerda, tal como em 98, a quase totalidade do trabalho e, especialmente, da coordenação, coisa que, precisamente, são incapazes de fazer. Em 98, a coisa terá sido tão difícil que, em vez de coordenação dos partidos existentes, se deu origem a um partido novo (o BE, claro).

Contudo, a principal diferença de 2007 reside nas posições do PS e do PSD, na prática simétricas em relação ao que se passou em 98. Não é diferença pequena. É provavelmente ela que explica a enorme vantagem do Sim em relação ao Não nas sondagens e o facto dessa diferença ter vindo a resistir ao longo do tempo. A posição do PS ligou o"Sim" a uma predisposição de longo-prazo dos eleitores (a identificação partidária), ligação essa que tinha sido diluída em 98. E a não posição do PSD facilita, por parte dos eleitores, a identificação do "Não" como uma posição exclusiva da "Direita", coisa que costuma ser fatal por estas bandas.

Mas isto não diminui a argúcia de quem vem conduzindo a campanha do "Não". E daqui até 11 de Fevereiro ainda corre muita água.
Enviar um comentário