quinta-feira, janeiro 18, 2007

Exercícios com os dados de intenção de voto (longo)

Este é um tipo de exercício que nunca costumo fazer. Explicar o comportamento eleitoral é algo que só faz realmente sentido a posteriori, com dados de inquérito que meçam comportamentos dos indivíduos, e não intenções de voto ou de votar. Mas tenho lido muita coisa, especialmente em comentários jornalísticos, sobre quem são os supostos apoiantes do sim, do não, os indecisos e abstencionistas no referendo. Tenho dúvidas sobre o que tenho lido e vale a pena olhar para isto com alguma atenção.

O que fiz foi pegar na base de dados da última sondagem da Católica sobre o referendo (Outubro) e reparti os eleitores em quatro grupos na base das suas intenções de voto declaradas.

1. Os que dizem ter a certeza que vão votar e que vão votar "Sim" (46%);
2. Os que dizem ter a certeza que vão votar e que vão votar "Não"(18%);
3. O que não têm a certeza se vão votar, ou dizem que sim mas não sabem como votarão ("Indecisos" - 19%);
4. E os que dizem desde já que não tencionam votar (17%).

O inquérito perguntava também aos inquiridos a sua idade, o grau de instrução, o posicionamento ideológico esquerda-direita, a identificação partidária e se tinham filhos. E tinha informação sobre o sexo de cada um e sobre a dimensão da freguesia onde o inquérito tinha sido feito (para medir, mesmo que superficialmente, a existência de uma clivagem urbano-rural).

Pegando neste informação, corri uma regressão multinomial logística com a intenção de voto como variável dependente, "Sim" como categoria de referência e os factores descritos anteriormente como variáveis independentes. Por outras palavras, a pergunta é: em que aspectos em que os declarados votantes do Não, os indecisos e os declarados abstencionistas se diferenciam significativamente dos votantes do Sim?

A resposta aparece nos quadros seguintes, que os curiosos podem usar para chegarem às suas próprias conclusões (isto foi tudo feito um bocado à pressa e peço desculpa pela apresentação um bocado canhestra; não tive maneira de assinalar os coeficientes estatisticamente significativos, pelo que vão ter de confiar no que vos direi):



O que quer isto dizer em português ? Várias coisas:
1. A dimensão das freguesias onde se vive e ter ou não ter filhos não têm efeitos de qualquer espécie na intenção de voto, assim que se controlam os efeitos das restantes variáveis.
2. O sexo dos inquiridos não ajuda a distinguir os eleitores entre si no que respeita às suas intenções, a não ser numa coisa: a intenção de votar. Por outras palavras, os homens declaravam-se desde já, em Outubro, mais inclinados a abster-se que as mulheres. Mas a diferença não é grande, apesar de ser estatisticamente significativa.
3. Quanto mais instruídos os inquiridos, mais inclinados a votar e menos indecisos. A instrução, contudo, não afecta a intenção de voto dos que a declaram: a distribuição entre "Sim" e "Não" (mais de 2 para 1) é igual nos níveis de instrução mais altos e nos mais baixos. Isto é curioso, dado que a instrução não costuma ter efeitos significativos na abstenção quando medida em estudos pós-eleitorais. Sugere duas coisas: este efeito da instrução está a ser sobrestimado (muitos dos que dizem que agora que vão votar acabam por não ir); ou então (ou também) os referendos são diferentes de outros actos eleitorais, sendo mais exigentes em termos de recursos cognitivos. Há boas razões para supor que as duas coisas são verdade.
4. Os mais velhos (55 ou mais anos) tendem, em comparação com os restantes, a declarar que vão votar "Não" ou que não vão votar de todo. Por outro lado, nos dois outros estratos (18-34 e 35-54), há uma razão de votos previstos "Sim"/"Não" praticamente igual, mas nos estratos mais jovens há mais indecisão.
5.Ideologia: para além de, naturalmente, tenderem mais a escolher o "Não", os indivíduos mais à direita estão também mais indecisos e declaram-se mais abstencionistas que os outros.
6. Religiosidade: quanto mais religiosos admitem ser subjectivamente, mais os eleitores tendem a votar "Não" e, em geral, a declarar já ter uma intenção de voto definida. É entre os que se dizem menos religiosos que há já mais abstenção assumida.
7. Identificação partidária: o que se espera. Em comparação com os "independentes" ou sem simpatias partidárias, os que as têm estão todos mais mobilizados. E no sentido previsível: simpatizantes do BE e do PCP muitíssimo mais inclinados a votarem "Sim", do PS muito mais inclinados a votarem "Sim", PSD algo (pouco) mais inclinados a votarem "Não", do CDS muitíssimo mais inclinados a votarem "Não". Depois venham-me cá dizer que o que se decide em referendos não tem nada a ver com partidos (sobre esta cândida ilusão, vale muito a pena ler isto).
No fim da próxima semana, vou tentar voltar com uma análise semelhante dos dados da próxima sondagem da Católica, a ver se estes padrões se confirmam ou se mudaram.
Mas entretanto, para o futuro, o raciocínio pode ser este: esta abstenção que as sondagens pré-eleitorais medem é inferior àquela que se vai verificar; logo, se queremos ter alguma ideia sobre como os resultados vão evoluir, o jogo pode consistir em pensar em que grupos a participação está a ser mais sobrestimada e, logo, como a sua previsível desmobilização pode afectar os resultados. Deste ponto de vista, há alguns sinais animadores para o "Não". Os mais jovens tendem hoje a dizer-se mobilizados, e mobilizados para o "Sim", mas haverá uma erosão inevitável desta participação. As pessoas que se situam à esquerda também se dizem mais mobilizadas e com tendência clara para o "Sim", mas aqui também deverá haver alguma erosão.
Contudo, para que o "Não" capitalize com isto, tem de evitar a desmobilização no seu próprio campo. Quem fará o trabalho para trazer as pessoas de direita, que se dizem especialmente indecisos e desinclinados a votar, para as eleições ou, pelo menos, evitar a sua desmobilização? O PSD não será certamente. A igreja? Claro. Mas com que efeitos? Os menos religiosos já são os que mais se tencionam abster e, mesmo assim, a margem do "Sim" continua muito grande. Poder-se-á ainda persuadir os mais religiosos que tencionam votar "Sim", que os há. Mas com que efeitos? Esses que se dizem "mais religiosos" são apenas 20% dos eleitores.
Logo, se a distribuição das intenções de voto que as sondagens vêm medindo nestes meses - mais de 2 para 1 a favor do "Sim" - for real, a margem para inverter a relação entre o "Sim" e o "Não" neste referendo é muito limitada.*
Já quanto à abstenção e à "vinculatividade" do referendo, bem, isso é outra conversa...
*Tudo isto, claro, partindo do pressuposto de que já será difícil fazer com que muitas pessoas que têm manifestado uma intenção de voto mudem de opinião, dado que essas intenções, pelos vistos, já se encontram bem ancoradas em factores de longo prazo (religiosidade, identificação partidária, identificação ideológica). O pressuposto - mais um - parece-me razoável, mas pode revelar-se errado, claro.
Enviar um comentário