segunda-feira, novembro 03, 2008

Amanhã.

Não me passa pela cabeça tentar dizer-vos aquilo que outros podem dizer e explicar muito melhor do que eu. De resto, uma das coisas mais espantosas desta eleição - que já se antevia em eleições passadas - é a qualidade e sofisticação das análises disponíveis sobre as eleições americanas. Desde o Pollster - cuja encarnação anterior, o Mistery Pollster, é uma das razões que me fez criar este blogue - até ao FiveThirtyEight, passando pelo The Ballot ou o The Monkey Cage, tudo o que há para dizer de interesse está lá dito.

O que sobra é apenas reforçar algumas ideias para a noite de 4 para 5 de Novembro. Aqui vão (e espero não me ter enganado nas contas no meio desta complicação):

1. Quais os estados onde a vitória de Obama é uma quase certeza absoluta, na base das sondagens e dos resultados de eleições anteriores? Os seguintes: Vermont, Connecticut, Delaware, Illinois, Maine, Maryland, Massachussets, DC, New Jersey, Michigan, Minnesota, New York, Rhode Island, Wisconsin, California, Hawaii, Oregon e Washington. Aqui não há "efeito Bradley" que valha. Perder é quase impensável. Feitas as contas, são 227 votos eleitorais. Faltam 43 para Obama ganhar.

2. Depois há alguns estados onde Obama tem vantagens muito expressivas nas sondagens mas que, na história recente, nem sempre foram ganhos por candidatos democratas. Falamos de New Hampshire (onde W. Bush ganhou a Gore), New Mexico (onde W. Bush ganhou a Kerry) e Iowa (idem). Neste momento, a estimativa da vantagem de Obama sobre McCain nestes três estados oscila entre os 9 e os 13 pontos. De resto, Clinton em 1992 e Kerry em 2004 ganharam NH, ao passo que Clinton em 1992 e Gore em 2000 ganharam Iowa and New Mexico. As dúvidas são muito poucas. Somem lá mais 16 votos. Faz 243. Ficam a faltar 27 para Obama ganhar.

3. Onde poderá Obama ir buscar esses 27? Há um estado onde a vantagem, não sendo tão expressiva como nos casos anteriores, é ainda assim muito relevante: Pennsylvania. Nas sondagens realizadas desde finais de Abril passado, há apenas uma em que McCain estava à frente de Obama, e isso foi em 12 de Setembro e era uma sondagem da Zogby (enough said). Nas sondagens realizadas na última semana (desde dia 27 de Outubro), a vantagem de Obama anda entre os 4 e os 14 pontos. Clinton ganhou Pennsylvania em 1992 (9 pontos) e 1996 (idem). Gore ganhou em 2000 (4 pontos). Kerry ganhou em 2004 (3 pontos). Vamos, com algumas cautelas, colocar já estes 21 votos do lado de Obama. Faz 264. Ficam a faltar 6.

4. Onde pode Obama ir buscar os 6 votos que faltam? Todos os restantes estados têm ou vantagens curtas para um ou outro candidato ou resultados passados menos tranquilizadores para os Democratas.

Mas notem: só faltam 6 votos. Segue-se uma lista de estados onde Obama pode ganhar e onde, se ganhar apenas um deles (e na base das pressuposições anteriores), ultrapassa os 270 votos. Por ordem de encerramento das urnas:
- Virginia: 13 votos, vantagem de 6 pontos nas sondagens;
- Carolina do Norte: 15 votos, vantagem de 1 ponto nas sondagens;
- Ohio: 20 votos, vantagem de 5 pontos nas sondagens.
- Florida: 27 votos, vantagem de 3 pontos nas sondagens;
- Missouri, 11 votos, vantagem de 2 pontos nas sondagens;
- Colorado, 9 votos, vantagem de 7 pontos nas sondagens.

Por outras palavras: se tudo o que está nos pontos 1, 2 e 3 der certo, basta que um destes estados caia para Obama para os 270 estarem garantidos. E a isto acrescem alguns estados que estão com ligeira vantagem para McCain nas sondagens mas ainda competitivos: Georgia (15 votos) e Indiana (11 votos). E há ainda estados que, sózinhos, não chegam aos 6 votos, mas estão, neste momento, ambos inclinados para Obama: North Dakota (3 votos) e Nevada (5 votos).

5. Logo, como se sugere aqui, atenção então a Virginia, Indiana e Georgia, que encerram à meia-noite de Lisboa. Se um deles cair para Obama, ficamos com sinais muito fortes de que tudo poderá estar terminado. Mas se nenhum deles cair para Obama, ainda haverá várias outras hipóteses.

6. Dito isto, muito cuidado com as sondagens à boca das urnas. Quatro razões:

- É sempre possível que haja fuga de dados durante o dia, apesar da equipa responsável estar de quarentena, fechada numa sala, até às cinco da tarde. Mas mesmo que haja fugas, serão dados parciais e não ponderados ou até, possivelmente, pura desinformação.

- Os dados que estarão disponíveis nos sites após o encerramento serão mais fiáveis, mas há uma razão para que esses dados, comuns e iguais para todas as estações, sejam trabalhados em cada uma delas por um batalhão de analistas. Quando dizem too close to call, é por que é too close to call. Já ninguém confia apenas nas sondagens à boca das urnas, a não ser que as vantagens sejam muito grandes. E se são muito grandes, não deverá ser em nenhum dos estados que interessam.

- O voto antecipado está a ser muito grande nalguns estados. Nalguns estados muito importantes para a decisão de amanhã, os números são incríveis. No Colorado, por exemplo, as pessoas que já votaram correspondem a 74% dos todos os que votaram em 2004. 54% na Florida. 61% na Georgia. 67% no Nevada. 73% no Novo México. Neste contexto, só se fossem atrasados mentais é que as pessoas na Edison-Mitofsky se limitavam a conduzir sondagens no dia das eleições. Como é óbvio, não são. O consórcio encarregado da sondagem à boca das urnas tem vindo a fazer sondagens em 18 estados de forma a medir o comportamento daqueles que já votaram, e ponderará esses elementos no dia das eleições. Mas seja como for, não é preciso ser-se atrasado mental para cometer erros e usar pressuposições erradas nessas ponderações.

- Também devido ao voto antecipado, será preciso ter cuidado com os primeiros dados "reais" a virem das assembleias de voto e que são usados para tomar decisões em conjugação com os dados das sondagens à boca da urnas. Como avisa Michael MacDonald,

Beware of election night results released at poll closing, as they may be misleading. Many states and localities quickly report results for their early voters. The reporting method varies widely among states. If these surveys are correct that Obama supporters are voting early at higher rates than McCain supporters, these early election results may give a false impression of what the actual election result will be once all votes are counted.

7. Finalmente: muito do que está acima presume que as centenas e centenas de sondagens divulgadas estão a dar informação fiável sobre as intenções de voto, ou pelo menos informação onde os enviesamentos são aleatórios ou, se não forem aleatórios, se cancelam mutuamente ou, se não se cancelarem mutuamente, são enviesamentos relativamente limitados. Há algumas razões para supor que isto não é necessariamente verdade. Estão muito bem resumidas e discutidas aqui por Anthony Wells, mas a ideia com que se fica é que não são suficientes para nos convencerem de que aquilo que julgamos estar a ver com as sondagens está fundamentalmente errado. E no entanto...

E é tudo. Sei que há muita gente interessada nisto por aí. Isto foi escrito um pouco à pressa. Logo, se encontrarem algum erro de raciocínio ou de contabilidade no que está acima, agradeço mesmo que me avisem.
Enviar um comentário