segunda-feira, novembro 24, 2008

Outlier: Dissonância cognitiva

Um dos conceitos mais importantes da Psicologia Social é o "princípio de redução de dissonância cognitiva". Quando confrontados com percepções e atitudes que não se ajustam entre si, os indivíduos procuram resolver esta contradição. Se têm uma atitude sobre algo, evitam expor-se a informação que a contrarie. E se expostos a essa informação, tendem a desvalorizá-la e a esquecê-la, de forma a não colocar em risco uma atitude pré-existente. As aplicações do conceito são múltiplas, até nos estudos eleitorais, especialmente no que diz respeito à convicção de muitos investigadores de que as predisposições que os eleitores já trazem consigo para as campanhas só muito dificilmente são mudadas por elas, pelos debates ou pela comunicação social.

Vem isto a propósito de um artigo de Rui Tavares hoje no Público (e dentro de dias, aqui). Nele, criticando a "falta de coragem democrática" com um dos principais problemas políticos de Portugal, recorre a um artigo que tinha escrito há meses sobre uma tomada de posição da SEDES, que Rui Tavares interpretou (e interpreta) como fazendo parte de uma "funesta tradição de gente que desconfia das eleições [ou da democracia])."

É muito curiosa esta leitura. A tomada de posição da SEDES, para aqueles que se recordam, analisava três áreas da governação: legislação laboral, saúde e educação. Depois de documentar várias medidas em cada uma dessas áreas que os signatários achavam dignas de aplauso, o documento mencionava sinais recentes e concretos de que o governo se preparava para mudar de políticas nalgumas dessas áreas para direcções mais incertas, e relacionava essa inflexão com a aproximação das eleições. E criticava essa inflexão, sugerindo inclusivamente que, ao contrário da interpretação habitual, a popularidade do governo poderia sofrer mais com essa inflexão do que com o caminho já percorrido: "exactamente no momento em que o Governo inicia uma aparente suspensão do processo das reformas, a opinião pública parece voltar-se contra ele. Coincidência ou causalidade, nunca saberemos, mas os sacrifícios feitos por todos não podem, nem devem, ser desperdiçados."

A leitura feita por Rui Tavares e muitos outros nessa altura - e, pelos vistos, ainda hoje - foi a de que tudo isto exprimia desconfiança em relação aos eleitores e à democracia. Mas foram raros os que fizeram a leitura que, à luz do que o documento realmente diz, seria a mais correcta: precisamente a leitura oposta. A de que os governos não necessitam de ter medo dos eleitores; de que a distribuição de benesses de última hora não enganaria muita gente; e de que muitos eleitores que estiveram dispostos a fazer sacrifícios não estariam muito dispostos a ver esses sacrifícios desperdiçados. Mas o "princípio de redução da dissonância cognitiva" impediu, pelos vistos, essa leitura.

Há provavelmente alguns atavismos anti-democráticos na cultura política portuguesa: uma visão muito negativa do conflito político e partidário; a ideia de que a democracia produz indecisão e ingovernabilidade; e até, talvez, a percepção de os eleitores não são gente de confiança (o meu artigo no Público de hoje, amanhã aqui, é em parte sobre isto). Mas há outro atavismo não menos curioso: a ideia de que todos os debates políticos se podem resumir a conflitos entre maioria e oposição e de que todas as vozes críticas são de “inimigos do governo”. A facilidade com que pessoas inteligentes se encaixam neste esquema é por vezes, mesmo com toda a Psicologia Social, surpreendente.

(Postado também aqui).

P.S. - O Rui já comentou este post aqui. Acrescento apenas que tenho de admitir que não é fácil recuperar a "leitura mais correcta" de um texto que em si mesmo permitia diversas leituras, porventura até para aqueles que o redigiram e subscreveram e, certamente, ainda mais para aqueles que o leram. Mas a leitura que predominou não era a única possível e nem era sequer, parece-me, a que mais se impunha no texto. O que se leu nele pareceu ser mais influenciado por aquilo que já se esperava e já se pensava sobre alguns dos seus subscritores do que por aquilo que era realmente lá dito. Esse é o único ponto deste post (o que não impede que o texto pudesse ter feito mais para o antecipar, claro, mas para isso é que, realmente, já vamos tarde).
Enviar um comentário