segunda-feira, setembro 28, 2009

O Trocas

Antes de mais, um sincero agradecimento a todos os que, passando por este blogue ou chegando lá de outra forma, aceitaram o desafio de "brincar" aos mercados de previsões na experiência do Trocas de Opinião. E especialmente às muitas pessoas que foram deixando aqui, nas caixas de comentários, muitas e muito boas sugestões sobre como melhorar o funcionamento do mercado. Algumas ainda puderam ser implementadas, outras não. Mas queria dizer que receber estas reacções, quase invariavelmente úteis e inteligentes, foi uma das coisas mais compensadoras e interessantes para mim em mais de quatro anos de Margens de Erro.

Rescaldo? Não é muito fácil. Vamos ter de analisar os logs e tentar perceber exactamente o que se foi passando ao longo do tempo. De resto, uma das pessoas envolvidas no projecto tenciona escrever uma tese sobre o assunto, pelo que a coisa é capaz de demorar um bocadinho. E aproximam-se as autárquicas, com novos contratos, pelo que o tempo para analisar e implementar soluções é curtíssimo.

Uma coisa é evidente: a possibilidade das vendas a descoberto, sendo interessante para gerar liquidez inicial, abriu grandes hipóteses de manipulação do mercado e gerou grande volatilidade. Mais ainda, o facto de não as termos limitado criou uma assimetria: para comprar, há um limite, o dos trocos disponíveis; para vender, não havia. Pelo que uma das coisas que tentaremos implementar nos próximos dias é uma forma de limitar as vendas a descoberto. Num dos logs que vi havia um investidor que fez muitas dezenas de vendas de 100 títulos de um contrato a 1 troco. Isto vai deixar de ser possível. Claro que, com grande liquidez e - muito especialmente - dinheiro a sério - a cantiga seria outra. Mas vamos tentar fazer, para já, o possível. Mais tarde, há muitas outras óptimas ideias vossas que tentaremos implementar.

O João Miranda - de resto, um dos grandes magnatas do Trocas, como verificarão se olharem para os rankings - fez ontem um post onde alinhava, com base nos valores da oferta e da procura a meio da tarde, as possíveis previsões que resultavam do mercado. Dizer se foram "boas" ou "más" é difícil. Poder-se-ia eventualmente dizer que poderiam servir de antídoto em relação quer às sondagens pré-eleitorais quer às próprias sondagens à boca das urnas, que sobrestimaram (mais as segundas que as primeiras, curiosamente) a margem de vitória do PS sobre o PSD. Mas não vale a pena entrar muito por aí: a verdade é que, nesta experiência, ainda ficámos longe da quase infalibilidade de coisas como o IEM, um mercado a dinheiro vivo e onde, não por acaso, não se permitem vendas a descoberto. Mas quem sabe se, com a vossa ajuda, não lá chegaremos? Para já, muito obrigado a todos, e aguardem as novidades.
Enviar um comentário