terça-feira, abril 05, 2011

Mais exercícios

Imaginem que têm à vossa frente, numa folha de Excel, os resultados das eleições de 2009, por distrito, assim como os resultados nacionais. Um exercício muito simples que se pode fazer na base disto é supor que uma mudança dos resultados a nível nacional se repercute de forma homogénea por todos os distritos. Há países onde o sistema de partidos de encontra muito "nacionalizado" deste ponto de vista, e outros em que isso não é verdade. Portugal parece, contudo, ter um nível de "nacionalização dinâmica" comparativamente elevado. O que nos deixa um pouco menos inquietos em relação à pressuposição inicial.

O que quer dizer "repercutir de forma homogénea"? No Reino Unido usou-se muito a ideia do uniform swing: se os Trabalhistas descerem 10 pontos a nível nacional, isso significa que desceram 10 pontos em cada distrito. O problema é se há distritos em que os Trabalhistas têm menos de 10% dos votos: ficam com votação negativa? A alternativa mais comum é o proportional swing: se os Trabalhistas têm 10% num determinado círculo e descem de 50% para 40% a nível nacional, não descem 10 pontos no círculo (ficando com 0% dos votos). Descem 20% (não 20 pontos). Por outras palavras, ficam com 8% dos votos nesse círculo onde antes tinham 10%.

Imaginem que pegamos nos resultados nacionais de 2009, nos resultados por distrito de 2009 e na última sondagem da Aximage e presumimos que há um swing nos distritos para todos os partidos proporcional ao swing nacional. Como ficaria o parlamento? Assim:


PSD: 36,8% (102 deputados)
PS: 30,1% (77 deputados)
CDS-PP: 11,4% (22 deputados)
CDU: 9,0% (17 deputados)
BE: 6,9% (12 deputados)
Enviar um comentário