segunda-feira, junho 06, 2011

Rescaldo

Vou fugir um pouco à prática de colocar aqui os dados em detalhe porque Fernando Pereira Bastos me enviou um ficheiro fantástico com tudo isso. Logo, disponibilizo-o aqui e limito-me a fazer alguns comentários. Desculpem esta descentralização, mas é simplesmente porque acho que não conseguiria fazer melhor.


1. Desvios entre intenções de voto registadas nas últimas sondagens e resultados eleitorais semelhantes aos verificados em 2009, mas com alguma diminuição global.
2. Boca das urnas, a mesma coisa, e aqui mais importante, porque estamos de facto a comparar comportamentos (não intenções) com resultados: desvios entre pontos centrais dos intervalos e resultados semelhantes aos de 2009, mas globalmente mais baixos.
3. Fenómeno de discrepância entre intenções de voto registadas para CDS-PP e resultados eleitorais desapareceu nesta eleição. Houve em 2002 e 2009, não houve em 2005 e 2011, e confesso que não tenho uma explicação que consiga apoiar com dados. Só especulações.

Para além daquilo que o Fernando fez, vou apenas actualizar um quadro que já tinha aqui apresentado. Vou considerar como sondagens da última semana apenas as que tinham amostras independentes:
- Aximage, 2 de Junho
- Marktest, 31 de Maio
- Católica, 29 de Maio
- Intercampus, 29 de Maio e 2 de Junho
- Eurosondagem, 29 de Maio de 2 de Junho

5 comentários:

kamarada Spartakus disse...

O único a acertar em cheio foi sócrates:

http://blaguedeesquerda.blogspot.com/2011/06/bruxo.html

et disse...

Dá a impressão que as pessoas se decidiram a "correr com o Sócrates" na ultima semana.

Fox Developer disse...

As sondagens à boca da urna foram, desta vez, bastante difíceis de fazer, considerando os enormes movimentos de eleitorqado que se verificaram nos últimos dias, a depressão dos votantes PS e a menor disponibilidade para participar na sondagem (o que sempre acontece nestes casos) e, por fim, o fenómeno inverso da euforia social democrata.
O resultados observados, no final da noite eleitoral, demonstram uma boa capacidade dos nossos institutos para lidar com estes fenómenos.

Gil disse...

Desculpe se escreveu sobre isto recentemente, mas pode dizer-nos alguma coisa sobre sondagens ou, melhor ainda, concursos com a pergunta "quanto é que acha que o partido X vai ter"? Sei que fez um aqui, mas foi há cerca de um mês.

http://oinsurgente.org/2011/06/05/primeira-previsao-dos-resultados-eleitorais-em-exclusivo-aqui-no-insurgente/

gonçalo costa disse...

Voto Util/Medo explicam o CDS-PP não ter mais 2/3%...descalabro do PS....a abstenção de parte do seu eleitorado desiludido talvez possa explicar alguma coisa. Mas pela Primeira vez o PSD sobe significativamente e ganha as eleições sem o CDS-PP descer....atrevo-me a dizer que nas proximas decadas não se voltara a ver maiorias absolutas de um só partido de direita ....O CDS passou a ser incontornavel.