quinta-feira, junho 02, 2011

Sondagem do CESOP

Intenções de voto não são comportamentos de voto, pelo que comporta um certo risco tratar a relação das primeiras com variáveis explicativas, risco esse que é contornado pelas sondagens pós-eleitorais (e por exit polls feitas a pensar nisso, volto a insistir). Mas os resultados da sondagem da Católica são tão interessantes desse ponto de vista que é impossível resistir. Estou a olhar para os gráficos do DN e não os encontrei online. Mas quando estiver depositada na ERC vão poder perceber melhor o que estou a dizer.

1. A relação curvilinear entre idade e a opção "De certeza que vai votar": mais jovens votam menos, a propensão cresce depois e volta a descer no fim do ciclo de vida. É muito débil ainda este padrão, mas vai fortalecer certamente quando olharmos para comportamentos em vez de intenções.

2. O bom desempenho do CDS e (especialmente) BE entre os mais jovens. O padrão é familiar.

3. A correlação negativa - forte mesmo nas intenções de voto - entre instrução e voto no PS, cujo desempenho entre os mais instruídos é bastante fraco. Entre os que não completaram o secundário, pelo contrário, o PS supera mesmo o PSD em intenções de voto. Também aqui se confirmam padrões de 2009. Mas o PSD parece ter recuperado entre os mais instruídos em comparação com 2009.

Tudo isto é para confirmar depois, mas é este tipo de coisas a que as sondagens e aqueles que as divulgam deviam dar sempre importância. E é também o tipo de coisas que dá confiança na validade daquilo que se mediu numa sondagem, tal como já me tinha sucedido ontem na análise dos resultados da Intercampus.
Enviar um comentário