terça-feira, maio 17, 2005

Sampaio e o referendo à despenalização do aborto

Por distracção, não tinha dado por esta sondagem. Aqui está. "Vale o que vale" (só Lisboa e Porto), mas valerá certamente alguma coisa. E com alguns resultados curiosos na desagregação por classes sociais.


Lisboetas e portuenses concordam com Sampaio
12 Maio 2005
Marktest.com
A maioria dos lisboetas e portuenses, inquiridos pelo
Fonebus da Marktest em exclusivo para a Marktest.com Notícias, concordam com a decisão de Jorge Sampaio em não realizar em Julho o referendo sobre o aborto.
O
Fonebus da Marktest realizou para a Marktest.com Notícias uma sondagem de opinião acerca das decisões de Jorge Sampaio a propósito do referendo sobre o aborto. Sabendo que o Presidente da República tomou a decisão de não realizar o referendo sobre o aborto em Julho deste ano, em virtude de se tratar de um mês em que muitos portugueses já se encontram de férias, perguntou-se aos residentes nas regiões da Grande Lisboa e do Grande Porto, com mais de 18 anos, se concordavam ou não com essa decisão.
Dos inquiridos, 65.2% concordou com a decisão do Presidente da República, 21.1% discordou e 13.7% não expressou opinião.
Ainda que em todas as faixas etárias se tenha verificado concordância com a decisão de Jorge Sampaio, ela foi mais notória nos indivíduos entre os 55 e os 64 anos (81.1% concordou e 13.5% não concordou). A população mais jovem (entre os 18 e os 24 anos), foi aquela onde as opiniões se dividiram um pouco mais: 52.8% concordou e 33.3% discordou. Na faixa etária mais idosa (65 anos e mais) foi onde surgiu maior percentagem de dúvidas: 30% não soube responder à questão.
Por outro lado, a concordância com a decisão do Presidente da República diminui à medida em que se passa das classes alta e média alta (A/B) para as média baixa e baixa (C2/D), como se pode observar no gráfico abaixo. Efectivamente, nas classes mais elevadas, 75.8% concorda com a não realização do referendo sobre o aborto em Julho, enquanto que nas classes mais baixas apenas 55.8% concorda com esta decisão.
Enviar um comentário