sexta-feira, outubro 28, 2005

Aximage, presidenciais, 28 Outubro (aditado)

Esta sondagem, apesar de divulgada depois da sondagem Marktest, foi realizada uns dias antes. Contudo, quase nada diz de diferente da sondagem divulgada ontem.



Sobre a ideia de que há um eleitorado de esquerda "escondido", defendida ontem por Medeiros Ferreira em entrevista radiofónica (e aqui), ideia essa criticada aqui, quatro notas:

1. Ao contrário do que me pareceu que sugeria ontem Medeiros Ferreira, nunca foi detectada qualquer tendência para que as sondagens subrepresentem sistematicamente o "eleitorado de esquerda". Aliás, se houve subrepresentações sistemáticas no passado, foram sim quer do eleitorado do CDS-PP quer do eleitorado do PCP. E hoje não é claro se persiste algum enviesamento sistemático contra qualquer partido ou eleitorado ideologicamente definido. Uma ou outra eleição isoladas não servem para tirar conclusões.

2. Contudo, dando-lhe alguma razão, eu diria que é altamente presumível que, neste momento e para estas eleições concretas, muitos eleitores de "esquerda" não tenham ainda, pura e simplesmente, decidido o que vão fazer, em face da multiplicação de candidatos, dos sinais confusos e contraditórios emanados inicialmente pelo Partido Socialista, da insatisfação de algum eleitorado PS com a actuação do governo, etc. É possível, e provável, que muitos desses indecisos se venham a abster, mas certamente muitos deles irão também acabar por votar num dos candidatos de esquerda (não excluindo, claro, que alguns venham a votar em Cavaco Silva).

3. Mas quantos serão esses "indecisos de esquerda"? Não se sabe, mas a "indecisão real" será certamente superior aos 10% dos eleitores que se declaram "indecisos" em ambas as sondagens. Porque como é óbvio, estes 10% são calculados em relação aos inquiridos que aceitaram responder à sondagem. Como se vê na ficha técnica da Aximage, por exemplo, nada menos que um terço dos indivíduos que foram abordados para responder recusaram, pura e simplesmente, fazê-lo. Olhando para estes resultados e para o seu desfasamento em relação àquilo que sabemos ser a distribuição do eleitorado português em termos da sua identificação partidária e posicionamento ideológico, e mesmo tendo em conta a natureza mais "personalizada" das presidenciais, é difícil não concluir que a esquerda estará provavelmente sobrepresentada entre aqueles que se tentou inquirir mas recusaram fazer parte da amostra (e, logo, subrepresentada na amostra). Se é isto que Medeiros Ferreira quer dizer com "eleitorado escondido", acho que só posso concordar.

4. Isto não chega para mitigar, claro, o facto de as sondagens serem, para já, desastrosas para a esquerda em geral e para Mário Soares em particular.
Enviar um comentário