terça-feira, maio 26, 2009

Uma impressão de campanha

Escreve aqui alguém que, ao contrário do que alguns possam imaginar, não percebe rigorosamente nada de campanhas políticas. Mas queria notar apenas, de forma meramente intuitiva, o contraste enorme entre a campanha do PS para estas europeias e a dos restantes partidos. Há na campanha do PS uma quase total "despersonalização". Os cartazes mostram figurantes contratados, falam de eventos históricos e só ao longe, estabatidas, estão as personalidades políticas, algumas delas sem relevância directa para os dias de hoje. Vital Moreira está ausente dos cartazes e parece, nas suas aparições públicas, uma pessoa algo diferente daquela que se conhecia de outras aparições noutros contextos. A ideia de meter Ana Gomes e Elisa Ferreira nas listas, se era para lhes dar visibilidade acrescida para as suas campanhas posteriores, não está a funcionar muito bem. Pelo contrário, BE, CDS-PP, PSD e até a CDU apresentam os seus candidatos, mesmo que alguns sejam completos desconhecidos. E nota-se um esforço do PS em remeter o seu discurso para questões "europeias", ao passo que os restantes partidos não passam sem uma ligação da Europa aos problemas nacionais, ou seja, àqueles que interessam aos eleitores.

Imagino que isto seja deliberado, pensado, eventualmente até testado com focus groups e sondagens. E daí talvez não. Talvez esta campanha do PS esteja a ser conduzida e organizada por pessoas sem competência para a função. Já sucedeu no passado com vários partidos, em várias eleições. E costuma ser um indicador interessante sobre a "saúde" de um partido, a sua coesão e motivação e o grau de isolamento da sua liderança. Dentro de poucas semanas, saberemos melhor.
Enviar um comentário