terça-feira, maio 24, 2011

Do not panic

2005. No fim de Janeiro, dia 28, uma sondagem atribuía 45% de intenções de voto ao partido A, com 13 pontos de vantagem sobre o partido B. Mas logo no dia 1 de Fevereiro, outra dava 49% de intenções de voto ao A, 18 pontos sobre o B. Dia 11, era publicada outra sondagem que dava 48% para o A, mas no dia seguinte era divulgada uma que lhe dava 44,4%. Na última semana, as estimativas para o partido A oscilaram entre 43% e 46,8%, quase 4 pontos de diferença. E a margem do A sobre o B? Entre 12 e 19,2 pontos.


2009.  A 9 de Setembro, terminou o trabalho de campo de uma sondagem que obtinha 34% de intenções de voto para o partido A, com uma muito escassa vantagem de 0,9 pontos sobre o partido B. Mas quatro dias depois, terminava o trabalho de campo de outra sondagem que dava 38% ao partido A, 6 pontos de vantagem sobre o partido B. No dia seguinte, o partido A aparecia com 32,9%. Mas menos de uma semana depois todas as sondagens davam uma vantagem muito mais confortável ao partido A.


As histórias anteriores estão documentadas aqui e aqui. Elas servem para percebermos que o que então ia acontecendo nas semanas que antecederam essas eleições não é necessariamente diferente do que está a ocorrer agora. Como os dois principais partidos estão aparentemente mais próximos entre si do que em 2005 ou 2009, notamos mais a dispersão dos resultados de uma sondagem para outra. Mas é só isso. Do  not panic. As sondagens são isto mesmo, e os eleitores também. Só é preciso ter cuidado com as precipitações.
Enviar um comentário