quinta-feira, janeiro 19, 2006

Últimas arrumações

Um amável e-mail de Alexandre Picoito, responsável da Pitagórica, ajuda-me a acabar de preencher o quadro das sondagens. Para não sobrecarregar o blogue, limito-me a substituir a imagem que estava aqui.

Alexandre Picoito esclarece também que o tratamento de abstenção a que se aludia no JN "resulta de várias questões incluídas no questionário e cujas respostas ponderadas entre si, identificam uma 'projecção provável' de abstencionistas que são retirados das análises de voto". É, de facto, uma prática comum a outras sondagens, especialmente em países de abstenção elevada (a que nós, em bom rigor, começamos a pertencer).

O curioso destas coisas gostaria de saber exactamente como se constrói esse modelo. Mas aqui, admito, a curiosidade tem limites. Por um lado, não é fácil a qualquer órgão de comunicação explicar exactamente todos os pormenores destas coisas. E por outro, mais importante, os responsáveis dos institutos de sondagens não são obrigados a fazê-lo, e podem, se assim o entenderem, encarar estes modelos como uma propriedade intelectual que não desejam partilhar.

Muito diferente é a questão da redistribuição dos indecisos: ao contrário do que alguns ainda parecem julgar, é a própria legislação que obriga a que, "sempre que seja efectuada a redistribuição dos indecisos" se faça na ficha técnica "a descrição das hipóteses em que a mesma se baseia". Aqui não pode haver "segredo industrial". Mas isso nada tem a ver com a sondagem da Pitagórica: o jornal nem publicou os resultados após redistribuição dos indecisos e que as hipóteses que a empresa faz na sua análise, cujos resultados coloco agora no quadro, são claras, simples e evidentes: redistribuição proporcional.
Enviar um comentário