sexta-feira, fevereiro 18, 2005

Dúvidas existenciais (primeira)

Num post anterior, escrevi que "há várias questões cuja resposta, creio, não é dada por nenhuma destas sondagens com qualquer razoável margem de confiança:

1. Maioria absoluta ou não;
2. Margem de vitória;
3. Posição relativa CDS/CDU;
4. Dimensão da subida do BE em relação a 2002."

Ora bem. Para além do que possa ter a ver com o futuro de Santana Lopes, a margem de vitória tem uma importância relativa, excepto na medida em que se relaciona com os ponto 1 e 3 (em particular na relação de votos PSD-CDS/PP).

Ficamos assim com três questões fundamentais. Questões para as quais, lamento, estas sondagens não dão respostas definitivas. Vamos à primeira.

Maioria absoluta? Os resultados apresentados oscilam entre os 43% e os 47%. Por assim dizer, entre maioria relativa e maioria absoluta. Para além disso, mesmo que tenhamos uma crença especial na capacidade de uma sondagem em particular para estimar resultados, a margem de erro amostral associada a cada uma delas faz com que seja difícil responder à questão. Tomemos aquela em que eu acredito mais, ou seja (surprise) a da Católica. É preciso recordarmos que a estimativa de 46% significa, tomando em conta a margem de erro amostral, um valor entre 44,6% e 47,4%. Ou seja, potencialmente, a diferença entre a maioria relativa e a maioria absoluta. Para as restantes sondagens, com amostras menores, o problema, por maioria de razão, também existe. E o seu trabalho de campo foi realizado, na maioria dos casos, uma semana antes das eleições. E há, pelo menos na sondagem da Católica, 12% de indecisos.

Logo, não se sabe se haverá ou não maioria absoluta. Ou melhor: nem sequer é possível dizer se, no momento em que se fez o trabalho de campo, haveria ou não uma maioria absoluta. Não pensem que estou a ser propositadamente defensivo, a proteger as sondagens de possíveis "fracassos" ou coisa parecida. É preciso perceber que as sondagens têm limites. Um deles é este.

Dito isto, o meu palpite, se tivesse mesmo de dar um, é o seguinte: se a abstenção descer significativamente, o PS chega lá. A razão está aqui.
Enviar um comentário