sexta-feira, fevereiro 18, 2005

Dúvidas existenciais (segunda)

O CDS-PP e a CDU. Estou ciente da surpresa causada pelo facto de o CDS-PP aparecer, em todas as sondagens, com resultados inferiores aos das eleições de 2002. Pelo facto de, em quatro das sete sondagens, o CDS-PP aparecer com resultados iguais ou inferiores aos da CDU. E ainda mais ciente do choque causado pelo facto do CDS-PP surgir em duas sondagens como o 5ª partido.

Sobre isto, algumas notas:

1. Estas "posições relativas" dos partidos geram notícias de jornal, tais como aquelas que são motivadas pela "maioria absoluta" (conclusão que, como espero que tenha ficado do post anterior, é ilegítima, ou pelo menos tão ilegítima como o seu contrário). Mas queria notar, sem querer outra vez ser excessivamente defensivo, que a mais baixa margem de erro amostral associada por qualquer uma destas sondagens à estimativa de um ou outro partido é de + ou - 0,7% (outra vez Católica, estimativa do CDS, 6%). Façam as contas e verão como, pura e simplesmente na base do erro amostral, nenhuma sondagem diz que partido estava à frente nas intenções de voto quando a sondagem foi conduzida, o CDS-PP ou a CDU. Elas dizem apenas o que encontraram na amostra. Mas na inferência da amostra para a realidade, nenhuma está de facto a medir uma diferença estatisticamente significativa entre o CDS-PP e a CDU. Em rigor, eles estão empatados, em todas as sondagens.

2. Estou também ciente - e o Dr. Paulo Portas faz sempre questão de o recordar - que CDS-PP tem sido desvalorizado por todas as sondagens desde 1999. E estou convicto que, tal como sugeri aqui e aqui, alguns institutos estão a tomar isso em conta nos resultados que estão a fornecer.

3. Mas noto com surpresa já aqui mencionada, que as sondagens telefónicas estão desta vez a dar mais (e não menos) expressão eleitoral ao CDS (8%, contra 7% das presenciais e com simulação de voto), facto que parece destruir a teoria da subestimação causada por subestimação do voto rural ou voto oculto.

4. Logo, se assim é, creio que o melhor é não ter quaisquer teorias. O melhor é confiar nos resultados que surgem da amostra, e pronto. Depois, logo se vê.

5. E dito isto, sem querer substituir teorias destruídas com novas teorias construídas ad hoc, ficam duas perguntas:
- será que é compensador a um partido, que cresceu eleitoralmente na base da captação de um eleitorado conservador, composto de uma singular mistura de elites económicas e eleitores socialmente desfavorecidos, começar a fazer de conta que é um partido "moderado", "de governo", "centrista" e da "classe média"?
- será que um partido, mesmo que parceiro menor de uma coligação, consegue escapar incólume à participação no governo mais impopular de que há memória?

Veremos.
Enviar um comentário