sexta-feira, junho 05, 2009

Últimas palavras

Assim de repente, ocorrem-me três maneiras de falar destas sondagens e da sua relação com as eleições de Domingo:

1. A primeira é a que se tem seguido até ao momento: pôr os números a falar o mais possível. Haveria eventualmente mais coisas que se poderia fazer, mas a verdade é que com quatro sondagens, ou mesmo com as 13 ao longo de toda a campanha e pré-campanha, há limites para o que se pode fazer. As ideias gerais não vou repetir: estão aqui, aqui, aqui e aqui. Já agora, algumas das coisas que fizemos decorreram directa ou indirectamente de comentários aqui no blogue. Só por isso, já valeu a pena abrir a caixa. Obrigado a todos.

2. Tudo o que diz respeito ao ponto anterior partiu sempre da pressuposição que a única fonte de erro na capacidade das sondagens medirem as intenções de voto no momento em que foram feitas era o erro aleatório associado à selecção de uma amostra que dava a mesma probabilidade a cada membro do universo de ser seleccionado. Sabemos que as coisas não se passam assim. Nenhuma amostra é verdadeiramente aleatória, mesmo que se tente (as pessoas não são bolas nas esfera do Euromilhões, e recusam-se a ser "medidas" ou não estão "lá" para ser medidas quando "deviam" estar). Algumas sondagens até são por quotas. E há uma miríade de potenciais problemas de medição daquilo que se quer medir. Já discuti isto neste blogue muitas vezes, mas no confronto entre as eleições e as sondagens, quase todas as eleições mostram que há um partido ou mais partidos que são sobrestimados pelas sondagens e outros que são subestimados. Claro que isso se pode dever a algo que ocorra entre o trabalho de campo e a eleição. E claro que, ao contrário do que defendem algumas pessoas particularmente imunes ao confronto com os factos, nem sempre são os mesmos partidos que são sobrestimados ou subestimados. Mas isto sugere também a possibilidade de que haja enviesamentos sistemáticos comuns a todas as sondagens num dado contexto eleitoral. Logo, tudo o que resulta das análises descritas no ponto 1 tem de ser visto também deste ângulo mais céptico.

3. Finalmente, a eleição do dia 7 está no futuro, enquanto as sondagens estão no passado. Entre o passado e futuro nem sempre ocorrem coisas que provoquem mudanças nas intenções dos eleitores ou, pelo menos, se ocorrem, dão às vezes ar de se cancelarem umas às outras. Mas há sinais de que, noutros casos, ocorrem. A abstenção é talvez o problema fundamental. Por um lado, está ligado ao ponto anterior (de medição): como apurar se, num determinado momento, alguém tenciona realmente abster-se ou não? As pessoas resistem - porventura cada vez menos - a admitir isso e, logo, dão intenções de voto que não se realizam. Se essas forem sistematicamente diferentes das do que realmente votam, temos o caldo entornado. Mas é também um problema de diferença entre intenções presentes e comportamentos futuros: eu posso achar hoje que vou votar e, no Domingo, arranjar algo melhor para fazer. Se quem chega a esta conclusão for sistematicamente diferente daqueles que não chegam, o caldo entorna-se ainda mais. Em geral, todos os estudos mostram, inclusivamente em Portugal (shameless plug), que eleições de alta abstenção tendem a exibir maiores diferenças entre as sondagens e os resultados. E esta do dia 7 é, claro, desse terrível género.

Tudo isto para dizer aquilo que estas sondagens dizem sobre o que ocorrerá no Domingo tem limites, uns estimáveis (ponto 1), outros infelizmente não (pontos 2 e 3). Logo, se se importam com os resultados, o melhor que têm a fazer é ir votar. E é com esta nota profundamente cívica - abstendo-me de estimar a probabilidade de um voto individual ser decisivo para não desmoralizar ninguém - que me despeço até 2ª feira.
Enviar um comentário